Aneel libera estudos para instalar três megausinas na Amazônia

Há mais de dez anos, a agência recebe pedidos para estudar a construção dessas usinas
-Publicidade-
André Pepitone, Diretor-Geral da Aneel | Foto: Saulo Cruz/Aneel
André Pepitone, Diretor-Geral da Aneel | Foto: Saulo Cruz/Aneel

A estatal Eletrobras e sua subsidiária Eletronorte receberam aval da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para levar adiante o plano de erguer três grandes hidrelétricas na Bacia do Rio Tapajós, na Amazônia, uma das áreas mais preservadas da região.

Nesta semana, a agência aprovou o pedido das estatais de elaborar os estudos de viabilidade técnica e econômica das usinas de Jamanxim, Cachoeira do Caí e Cachoeira dos Patos, hidrelétricas que somariam mais de 2,2 mil megawatts, o suficiente para abastecer mais de 3 milhões de famílias.

-Publicidade-

Os levantamentos poderão ser realizados até 31 de dezembro de 2023. Há mais de dez anos, a Aneel recebe pedidos para estudar a construção dessas usinas na Amazônia, mas estas nunca foram viabilizadas.

Eletrobras e Eletronorte estão no “Consórcio Tapajós”, criado para viabilizar essas hidrelétricas que, há mais de uma década, não saem do papel devido aos possíveis impactos sobre áreas de conservação e terras indígenas.

O resultado de tentativas frustradas nos últimos anos acabou por esvaziar o próprio consórcio. O que hoje se resume a uma parceria estatal trazia, até meados de 2017, nomes de companhias francesas como a Electricité de France e a GDF Suez Energy Latin America (atual Engie), além de companhias nacionais como Neoenergia, Copel e Cemig. Essa formação ainda consta no documento da Aneel da aprovação.

Todas estavam reunidas com o propósito de erguer o maior complexo hidrelétrico do País no meio da Amazônia, o qual incluía outras duas usinas, São Luiz do Tapajós e Jatobá, as maiores. O Ibama, ainda em 2016, arquivou o processo de licenciamento de São Luiz, devido ao impacto direto a terras indígenas, o que é proibido por lei.

Nenhuma dessas usinas foi viabilizada, e o consórcio perdeu o interesse dos membros privados, que cansaram de gastar dinheiro com projetos frustrados. Foram nada menos que R$ 130 milhões injetados em pilhas de estudos.

Desde 2013, nenhum projeto hidrelétrico de médio ou grande porte foi licitado pelo governo federal, devido à complexidade ambiental.

O governo já possui o inventário de cada rio, com a capacidade de geração de cada usina, mas basicamente todas as propostas incluem a criação de reservatórios que alagariam grandes áreas protegidas.

O que dizem as estatais

Questionada, a Eletrobras afirmou em nota que, “do ponto de vista técnico, a bacia do rio Tapajós guarda um relevante potencial hidrelétrico, com elevada capacidade natural de regularização das vazões do rio ao longo do ano” e que os estudos das novas usinas “ainda necessitam de ações governamentais”.

A Eletronorte afirmou que “todos os projetos são viáveis tecnicamente e trariam grandes ganhos para a população brasileira, por serem empreendimentos de energia limpa, renovável e de custo potencialmente inferior ao de outras fontes de geração”.

Com informações do Estadão Conteúdo

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

5 comentários Ver comentários

  1. Os índios como sempre, representando um atraso para o país, estes são os maiores latifundiários do mundo. Mas é comum vê-los circulando de caminhonete, com Apple watch e iPhone, mas sabemos que são manipulados pela esquerda e por alguns órgãos do próprio governo.

  2. aposto um Chicabom (picolé) que algum puxadinho do PT vai ao STF pedir para cancelar os estudos – e aposto mais Chicabom que o STF vai atender à pelegada.

  3. Eu prefiro a energia nuclear.
    O Brasil JÀ desenvolveu, ao longo de 40 anos, TODA A TECNOLOGIA, desde a mineração, processo purificação, enriquecimento, confecção de pastilhas e REATOR NUCLEAR de 10-40 MW de potencia, que dá para abastecer totalmente cidades de 20 à 80 mil habitantes.
    TUDO COM TECNOLOGIA BRASILEIRA!
    Agora precisamos de escala de produção para construção de 50-100 reatores.
    São pequenos e fáceis de controlar e pará-lo caso aconteça algum problema. São mais seguros que BARRAGENS.
    O mundo hoje entendeu e estão desativando grandes reatores nucleares como ANGRA e partindo para os pequenos…e o BRASIL já tá na frente…só falta o inccentivo governamental.
    Enquanto Angra 3 já esta custando 30-40 BILHÕES DE REAIS… esse LABOGENE Reator… custaria em torno de 1 bilhão de reais com tudo pronto e gerando energia.

  4. Eu só fico imaginando a extensão dessa barragem para formar a represa. Achar uma topografia favorável para isso naquela região, imagino eu, pode até ser que exista, para fazer uma barragem relativamente curta e que retenha uma quantidade razoável de água para regularizar um rio desses, vai ser bem difícil, naquelas paragens. A opção mais viável, será usinas nucleares, com reatores de última geração, o resto é jogar conversa fora. E dinheiro dos contribuintes também.

    1. Uma usina nuclear pode ser instalada em qualquer lugar, de preferência até próxima dos pontos de utilização e desde que haja água em quantidade suficiente para refrigeração dos reatores. E no caso em tela ainda me esqueci de falar sobre as condições geotécnicas que devem se alinhar às topográficas já referidas, as coisas só complicam. Como também as ambientais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.