Aras abre investigação preliminar sobre conduta de Pazuello

PGR vai apurar inclusão de nomes de cientistas, sem autorização, em plano de vacinação apresentado ao STF
-Publicidade-
Ministro da Saúde também é alvo de outro inquérito, que tramita no STF, sobre eventual responsabilidade no colapso sanitário do Amazonas
Ministro da Saúde também é alvo de outro inquérito, que tramita no STF, sobre eventual responsabilidade no colapso sanitário do Amazonas | Foto: Willian Moreira/Futura Press/Estadão Conteúdo

O procurador-geral da República, Augusto Aras, notificou o Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a abertura de uma apuração preliminar a respeito da conduta do ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, ao divulgar a primeira versão do plano de vacinação contra a covid-19.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) vai investigar a inclusão, no documento, de assinaturas de cientistas que disseram, posteriormente, não terem sido consultados sobre o texto. O órgão foi acionado após um pedido de apuração apresentado pela deputada petista Natália Bonavides (RN). A parlamentar pede que Pazuello seja investigado por falsidade ideológica e fraude processual.

-Publicidade-

Leia também: “Pfizer e Janssen: Pazuello avança nas negociações”

“Nesta Procuradoria-Geral da República, já tramita notícia de fato destinada à averiguação preliminar do acontecimento ora relatado pela deputada federal noticiante”, diz Pazuello no comunicado ao STF. “Eventual surgimento de indícios razoáveis de prática criminosa pela autoridade noticiada ensejará, pois, a adoção das providências necessárias à persecução penal.”

Agravamento da pandemia no Amazonas

O ministro da Saúde também é alvo de outro inquérito, que tramita no STF a pedido da PGR, sobre eventuais responsabilidades de Pazuello no agravamento da pandemia de covid-19 no Amazonas, o que gerou desabastecimento de oxigênio em unidades básicas de saúde no Estado.

Apresentado em dezembro do ano passado ao STF, o plano de vacinação foi contestado por cientistas que negaram tê-lo endossado. “O grupo técnico assessor foi surpreendido no dia 12 de dezembro de 2020 pelos veículos de imprensa que anunciaram o envio do Plano Nacional de Vacinação da covid-19 pelo Ministério da Saúde ao STF”, diz uma nota assinada por 36 pesquisadores — o documento apresentado pelo governo tinha 150 nomes. “Nos causou surpresa e estranheza que o documento no qual constam os nomes dos pesquisadores deste grupo técnico não nos foi apresentado anteriormente e não obteve nossa anuência.”

Leia também: “A supervacina”, reportagem de Paula Leal publicada na Edição 39 da Revista Oeste

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.