-Publicidade-

Autônomos foram os mais prejudicados pela pandemia em 2020

Pesquisa do Ipea mostra queda de 24% na renda habitual desses trabalhadores

Autônomos tiveram uma queda de 24% na renda habitual, no segundo trimestre de 2020
Autônomos tiveram uma queda de 24% na renda habitual, no segundo trimestre de 2020 | Foto: Divulgação/Unsplash

Os trabalhadores autônomos foram a categoria mais prejudicada pela pandemia no ano de 2020, é o que mostra uma pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), divulgada  nesta quinta-feira, 8. A categoria teve uma queda de 24% na renda habitual, no segundo trimestre do ano passado, marcando o pior momento do ano para esses trabalhadores. No fim de 2020, houve uma pequena recuperação, mas o indicador continuou com um recuo de 10% em comparação aos níveis antes da pandemia.

Os funcionários do setor privado sem carteira assinada receberam 13% a menos no segundo trimestre e 4% a menos que sua renda habitual no último trimestre. Já aqueles com carteira assinada não tiveram perdas de abril a setembro e ainda encerraram 2020 ganhando 5% a mais que o habitual. No serviço público, a renda habitual aumentou em 1% no primeiro trimestre, 3% no terceiro trimestre e 5% no quatro trimestre.

Renda média habitual x renda média efetiva

A pesquisa teve como base os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) e comparou a renda média habitual com a renda média efetiva. Enquanto a renda média efetiva caiu devido ao aumento dos níveis de desemprego e das contratações com salários menores, a renda média habitual subiu, já que a perda de ocupações se deu nas áreas mais mal remuneradas.

Por faixa de renda, os mais pobres foram os mais afetados proporcionalmente. Entre os dois primeiros trimestres de 2020, o total de domicílios sem renda do trabalho pulou de 25% para 31,5%. Já no quarto trimestre, ficou em 29%, demonstrando a lenta recuperação do nível de ocupação.

Leia também: “Brasil gera 401 mil empregos com carteira assinada e tem melhor fevereiro em 30 anos”

Com informações da Agência Brasil

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.