-Publicidade-

Caso menino Miguel: Campanha ganha força na internet

A criança morreu depois de cair do nono andar de um prédio no Recife. Segundo a perícia, a moradora do apartamento facilitou a entrada de Miguel no elevador
Miguel Otávio morreu depois de cair do nono andar de um prédio no Recife | Foto: DIVULGAÇÃO/WHATSAPP
Miguel Otávio morreu depois de cair do nono andar de um prédio no Recife | Foto: DIVULGAÇÃO/WHATSAPP | Miguel Otávio morreu depois de cair do nono andar de um prédio no Recife | Foto: DIVULGAÇÃO/WHATSAPP

A criança morreu depois de cair do nono andar de um prédio no Recife. Segundo a perícia, a moradora do apartamento facilitou a entrada de Miguel no elevador

caso menino miguel
Caso Miguel: Menino morreu depois de cair do nono andar de um prédio no Recife
Foto: DIVULGAÇÃO/WHATSAPP

Mirtes Renata é empregada doméstica em Recife, capital de Pernambuco. Apesar da pandemia de coronavírus, não deixou de trabalhar no condomínio de luxo Píer Maurício de Nassau, que pertence ao conjunto conhecido como Torres Gêmeas.

Nos afazeres diários, a empregada saiu para passear com o cachorro da família e deixou o filho no apartamento no 5° andar, com a patroa e uma manicure. O menino perguntou pela mãe. Miguel, então, entrou no elevador do prédio. Contudo, se perdeu no edifício e caiu do nono andar.

Ele foi atendido no Hospital da Restauração, mas não resistiu.

De acordo com os peritos e segundo as câmeras de segurança, a moradora do apartamento facilitou a entrada de Miguel no elevador. Ao subir no parapeito que dá acesso a uma casa de máquina, escalou uma altura de 1,2 metro, e chegou ao guarda-peito, que é de alumínio. A quarta aleta dessa grade quebrou.

A patroa Sari Corte Real foi presa por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, mas pagou fiança de R$ 20 mil e deixou a cadeia. Além disso, várias pessoas compartilharam um abaixo-assinado em apoio à família da criança. Em 12 horas, a petição alcançou 135 mil assinaturas.

Caso menino Miguel: Monitoramento Oeste

Enquanto esta reportagem é redigida, a hashtag “justiçapormiguel” ocupa o primeiro lugar dos trending topics (assuntos mais comentados) do Twitter, ao obter 205 mil engajamentos na rede social.

Apresentam bom desempenho páginas de jornalismo independente que compartilharam a campanha. O tuíte com a melhor performance tem 6,3 mil curtidas e 4,2 mil compartilhamentos.

Leia mais: Damares Alves lança material sobre o coronavírus para crianças e adolescentes

No Facebook, a campanha está sendo turbinada pela página oficial do ex-senador petista Eduardo Suplicy. Uma publicação dele tem 2,5 mil curtidas, 90 comentários e 350 compartilhamentos.

Três Estados pesquisaram pelo nome da criança. São eles (na sequência): Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo. Internautas prometem se manifestar defronte ao condomínio onde Miguel morreu.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 comentários

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês