Fiocruz deve assinar transferência de tecnologia do IFA até março

Até agora, os imunizantes são produzidos a partir de IFA importado
-Publicidade-
Vacina da Oxford
Vacina da Oxford | Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

A Fiocruz e a farmacêutica AstraZeneca devem assinar em março contrato de transferência de tecnologia para a produção, no Brasil, do IFA (ingrediente farmacêutico ativo) da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido.

A fundação informou no domingo 21 que, inicialmente, havia a previsão de que o contrato fosse assinado ainda em 2020, mas “o grau de detalhamento necessário para esse tipo de documentação exigiu um tempo maior de preparação”.

Leia mais: “Sem vacinas, Taiwan denuncia ‘força externa’”

-Publicidade-

Segundo a Fiocruz, a falta desse contrato não impactou o cronograma de entrega das vacinas, já que, neste momento, os imunizantes são produzidos a partir de IFA importado da China. A previsão é que até julho sejam produzidos 100 milhões de doses dessa forma.

A Fiocruz prevê entregar ao Programa Nacional de Imunizações 15 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca até o fim de março e aumentar o ritmo de produção a partir de abril.

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro