Covid-19: além da parceria com a Oxford, Fiocruz tem mais 6 projetos de vacina

Entidade brasileira espera ganhos de tecnologia com novas iniciativas
-Publicidade-
Anúncio foi feito pelo vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da instituição brasileira, Marco Aurélio Krieger
Anúncio foi feito pelo vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da instituição brasileira, Marco Aurélio Krieger | Foto: Itamar Crispim/Fiocruz

Além de firmar parceria para produzir a vacina contra a covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford junto com o laboratório da AstraZeneca, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) está desenvolvendo outros seis imunizantes para combater a doença causada pelo coronavírus. O anúncio foi feito pelo vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da instituição brasileira, Marco Aurélio Krieger, no fim de março.

Leia também: “Covid-19: Fiocruz recebe novos insumos e garante 5,3 milhões de doses até maio”

-Publicidade-

Nacionalmente, existem duas iniciativas internas, além de um acordo que envolve a USP e a UFRJ, e um projeto conjunto com a UFMG. Internacionalmente, há o desenvolvimento de uma vacina de geração de RNA entre a Universidade de Washington, em Seattle, a empresa norte-americana HDT e o Senai Cimatec, da Bahia, e ainda uma parceria ligada a outra companhia vinculada à Universidade de Oxford.

“Esses novos projetos, numa época de revolução tecnológica nesse campo, nos levarão a dominar novas plataformas, novos adjuvantes e novas maneiras de aplicação”, ressalta Krieger. “Um domínio tecnológico que poderá ser usado em outras situações que surjam.”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

  1. Confesso que estou preocupado com a demora na produção da Fiocruz com o estabelecido para entregar ao ministério da saúde, sabendo que receberam o IFA para significativa produção.
    Tem sido constante no noticiário da Globo, que já é a 5a. ou 6a. vez que o ministério altera as quantidades mensais projetadas, e já fica popularizado que não fosse a vacina Coronavac do Dória, estaríamos ainda com baixa vacinação.
    Em um pais que tem celebridades tomando vacinas fora do programa, bandidos roubando e vendendo oxigênio, não é impossível que “forças ocultas” estejam sabotando a produção. Penso que cabe investigar.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.