Covid-19: Governo manda produzir remédio da malária para pacientes em estado grave

Medicamento será restrito aos médicos, que poderão optar pelo tratamento com a substância [caption id="attachment_239865" align="alignnone" width="1920"] Remédios em apresentação de cápsulas e comprimidos | Foto: Pixabay[/caption] A cloroquina, ou…
-Publicidade-

Medicamento será restrito aos médicos, que poderão optar pelo tratamento com a substância

Remédios em apresentação de cápsulas e comprimidos | Foto: Pixabay

A cloroquina, ou hidroxicloroquina — como é conhecida no Brasil —, tem sido empregada no tratamento da malária desde 1944 e vai ser produzida em larga escala e distribuída em hospitais de todo o país para ser testada em pacientes em situação grave  contaminados pelo novo coronavírus.

-Publicidade-

O Ministério da Saúde informou nesta quarta-feira, 25, que serão liberados 3,4 milhões de unidades do remédio até a próxima sexta-feira para envio a hospitais.

O próprio governo reconhece que ainda não há comprovação do resultado efetivo da cloroquina para a covid-19, mas os primeiros testes já mostraram que o saldo é “mais positivo que negativo” em pacientes em situação de risco.

De acordo com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, o remédio não será vendido em farmácias para a população em geral, porque não há nenhum benefício comprovado em sua utilização entre aqueles que não estão em estado grave devido ao coronavírus. Já se sabe, por exemplo, que a cloroquina pode causar arritmia cardíaca, dores agudas nos rins, entre outros efeitos colaterais.

Conforme anunciado pelo Ministério da Saúde nesta quarta-feira, seu uso é restrito aos médicos, que poderão optar pelo tratamento com a substância, caso julguem necessário.

“Estudos sobre a cloroquina ainda são preliminares, e sua aplicação será analisada no dia a dia, em casos graves”, comentou Mandetta. “Se o médico entender que o paciente grave pode se beneficiar, ele terá a cloroquina disponível.”

O secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Denizar Viana, disse que a droga é “um medicamento muito promissor” e utilizado há décadas no Brasil. Ele reconheceu, porém, que não se trata de uma cura da covid-19.

“Os estudos clínicos em humanos ainda estão em curso. Então, o que estamos oferecendo é uma opção terapêutica. É uma indicação complementar, com o máximo de controle. Os benefícios superam os riscos para esses pacientes. O Ministério da Saúde está propondo um protocolo somente para pacientes em situação grave”, disse.

Com informações da Agência Estado

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

  1. Cloroquina e Hidroxicloroquina são apresentações e prescrições diferentes, não a mesma coisa. E “dores agudas nos rins” é uma expressão indefinida do ponto de vista médico. Não se pode precisar que dores lombares sejam “nos rins”.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.