Exército vai renovar a frota de blindados

O modelo escolhido foi o Centauro II
-Publicidade-
O blindado é fabricado pelo consórcio italiano Iveco-Oto Melara
O blindado é fabricado pelo consórcio italiano Iveco-Oto Melara | Foto: Divulgação

O Exército brasileiro concluiu a escolha da nova viatura de combate, que vai reforçar a frota blindada da corporação. O contrato para aquisição de 98 veículos deve ser assinado em 5 de dezembro, depois de uma concorrência global. O valor deve girar em torno de € 900 milhões (R$ 5 bilhões).

O modelo escolhido foi o Centauro II. O blindado é fabricado pelo consórcio italiano Iveco-Oto Melara (CIO), formado pelas empresas Iveco Veículos de Defesa e Leonardo. Esse modelo é considerado uma viatura “caça-tanques”, no melhor padrão internacional da atualidade, de tração 8×8, com canhão 120 milímetros (mm), de longo alcance, capaz de disparar munições especiais, como projéteis supersônicos. Era o de maior poder de fogo na disputa.

O novo blindado de cavalaria, com 30 toneladas, é operado por três tripulantes. Ele vai substituir os antigos blindados de reconhecimento Cascavel, com canhão de 90 mm, e equipar unidades do Exército de infantaria de ação rápida e de cavalaria mecanizada.

-Publicidade-

O blindado Centauro II, de origem italiana, superou as propostas finais de dois concorrentes, originados de veículos de transporte de tropas. Ambos tinham canhões de 105 mm. O segundo colocado foi o LAV-700 AG, produzido no Canadá pela norte-americana General Dynamics Land Systems (GDLS). O terceiro, o ST1-BR, da chinesa Norinco.

Atualmente, o Brasil também possui com a Iveco o desenvolvimento dos blindados Guarani, principalmente para transporte de pessoal, que são viaturas de tração 6×6 e com armamentos de menor alcance e poder de fogo de 30 mm. Eles são fabricados no Brasil.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

11 comentários Ver comentários

  1. Mais um brinquedinho sofisticado para que os militares se distraiam em suas casernas. Como eles não têm nada para fazer fora de seus quarteis, uma renovação permanente do playground ajuda bastante a passar o tempo. O povo paga.

  2. Provavelmente essa compra foi um trabalho feito dentro dos governos Temer e Bolsonaro. Basta uma canetada do L….. e isso tudo vai para a gaveta. Isso sem falar que a compra vai depender do desempenho da economia e das prioridades da qua…, digo, da equipe de governo. A PEC fura-teto já deu indicação de que a prioridade agora é outra. E o investimento em defesa que tem sido cogitado é na “Guarda Nacional (Vermelha)”. Lembram dos caças da Aeronáutica? Alguém acha que a qua…, digo, que o governo vermelho não vai interferir nisso? No mínimo para faturar um pixuleco.

    1. Para que tanto investimento no exército se não servem pra nada, como vimos nesta roubalheira geral nas eleições e soltura de bandidos de toda a laia? Inúteis protegendo seus salários. Realidade. Infelizmente

  3. Tem gente que não entendem a complexidade das decisões….. ainda mais decisões militares que, seja numa guerra que não merece grandes “sutilezas” ou na ação militar de “corrigir” instituições golpistas como o stf/tse que fraudaram uma eleição aproveitando a covardia e chantageando o congresso nacional..
    A logística DEMORA..uns 3 meses..
    Mas a decisão JÁ foi tomada.

    1. Para que tanto investimento no exército se não servem pra nada, como vimos nesta roubalheira geral nas eleições e soltura de bandidos de toda a laia? Inúteis protegendo seus salários. Realidade. Infelizmente

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.