Fachin vota pela proibição de cerimônias religiosas presenciais

Ministro acompanhou os votos de Gilmar Mendes e Alexandre de Moraes; até agora, apenas Nunes Marques foi contrário à proibição
-Publicidade-
O ministro Edson Fachin também defendeu proibição de missas e cultos
O ministro Edson Fachin também defendeu proibição de missas e cultos | Foto: Reprodução/YouTube

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), acompanhou os votos do relator, Gilmar Mendes, e de Alexandre de Moraes e votou pela proibição da realização de missas e cultos presenciais em todo o país, diante do agravamento da pandemia de covid-19.

Leia mais: “Moraes acompanha Gilmar e vota para proibir missas e cultos”

Fachin afirmou que a proibição se limita à presença de público nas igrejas e templos — e sugeriu a transmissão pela internet como alternativa à medida.

-Publicidade-

Não se trata de uma proibição absoluta nem permanente quanto a realização de atividades fisicamente presenciais. Não se trata também de estabelecer uma preferência entre as próprias atividades religiosas”, afirmou o ministro. “Não se trata ainda de restrição somente à reunião nas igrejas, mas, sim, restrição a todos os locais de aglomeração.” 

Com o voto de Fachin, agora o placar aponta 3 a 1 pela proibição de missas e cultos.

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 comentários

  1. Ontem um jurista comentou nos “Pingos nos I´s”, da Jovem Pan, que o Ministro Gilmar Mendes discorreu em suas 2 horas de voto sobre diversos assuntos, mas curiosamente não atentou para o Artigo 5° da CFB: “VI – é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;” que seria a questão jurídica a ser levada em conta no debate. Comentei isso em outra notícia, mas vale, ao que tudo indica, para o pleno do STF (até o momento).
    É triste constatar nos fatos que as liberdades invioláveis e asseguradas em Constituição podem ser relativizadas tão facilmente, por motivos que levam em conta tudo menos nós, o povo brasileiro.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site