Filipe Barros pede proteção a hacker que invadiu sistema do TSE

Marcos Roberto Correia da Silva, o VandaTheGod, está preso em Minas Gerais; ele afirma que teve acesso a dados de eleitores
-Publicidade-
Marcos Roberto Correia da Silva, o 'VandaTheGod', invadiu sistema do TSE durante as eleições municipais de 2020
Marcos Roberto Correia da Silva, o 'VandaTheGod', invadiu sistema do TSE durante as eleições municipais de 2020 | Foto: Reprodução/YouTube

O deputado federal Filipe Barros (PSL-PR) pediu ao ministro da Justiça e da Segurança Pública, Anderson Torres, e ao secretário estadual de Segurança Pública de Minas Gerais, Rogério Grecco, proteção especial a Marcos Roberto Correia da Silva, o hacker que invadiu os sistemas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nas eleições municipais do ano passado.

O hacker, que usa o codinome VandaTheGod, está preso em Minas. Barros publicou nas redes sociais um vídeo de uma conversa que ele próprio teve com Silva — em que o invasor digital confirma que teve acesso a informações do banco de dados do TSE, inclusive a dados de eleitores.

Leia também: “É proibido modernizar a urna eletrônica?”, reportagem de Cristyan Costa publicada na Edição 69 da Revista Oeste

-Publicidade-

“O ato foi só um protesto. Nada de roubar informação, nada de prejudicar ninguém”, disse o hacker. “Invadi o site e passei informações para outra pessoa.”

Ao explicar a invasão ao sistema do TSE, Silva relatou que “a falha [permite] acessar o banco de dados”. “O que tiver de armazenamento do banco de dados vai ser tudo capturado”, afirma. “[Dados] Dos eleitores, também. Nome, CPF, foto, RG, dados biométricos também”, prossegue VandaTheGod.

Leia mais: “Debate sobre o voto ‘impresso’ foi politizado, critica Filipe Barros”

“Ela [a invasão] ocorre numa falha. A gente injeta códigos maliciosos e, através desses códigos, consegue manipular o site e puxar o nome de usuário e senha de administradores”, afirmou.

Em publicações feitas neste sábado, 17, Barros confirma o pedido de proteção especial ao hacker e destacou a “gravidade da invasão” ao sistema eletrônico do TSE.

Leia também: “Votação de parecer da PEC do voto ‘impresso’ é adiada, decide presidente da comissão”

Sistema eletrônico vulnerável

Reportagem de capa da Edição 69 da Revista Oeste, assinada por Cristyan Costa, traz um raio-x do sistema eletrônico adotado nos processos eleitorais do Brasil desde 1996. A segurança das urnas eletrônicas voltou ao centro de debate nacional a partir da tramitação, na Câmara, da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 135/19, de autoria da deputada federal Bia Kicis (PSL-DF), que defende o voto verificável ou auditável. O projeto seria votado na quinta-feira 15, mas a comissão especial adiou a apreciação da matéria para depois do recesso parlamentar, em agosto. Barros é o relator da proposta na Câmara.

A reportagem de Oeste mostra que, entre os pontos vulneráveis do sistema 100% eletrônico, estão a possibilidade de adulteração pelos próprios funcionários do TSE; o risco de um ataque hacker no momento do envio do programa; e a possibilidade de adulteração do software, o que ameaçaria o sigilo do voto. Clique aqui para ler a íntegra.

Assista ao vídeo com as declarações do hacker ao deputado Filipe Barros:

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site