Revista Oeste - Eleições 2022

Funcionários da Funai anunciam greve e pedem saída de presidente

Servidores da entidade pedem responsabilização pelas mortes do indigenista Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips
-Publicidade-
Servidores da Funai planejam paralisação na próxima quinta-feira, 23
Servidores da Funai planejam paralisação na próxima quinta-feira, 23 | Foto: INA/Reprodução

Os funcionários da Fundação Nacional do Índio (Funai) anunciaram uma greve para a próxima quinta-feira, 23 de junho, em ato que vai cobrar responsabilização dos culpados pela morte do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips.

O “Ato Nacional de Greve” vai acontecer a partir das 10 horas de quinta-feira, em todas as unidades da fundação nos Estados e no Distrito Federal, informa a Indigenistas Associados (INA). A mobilização também pede o “afastamento imediato” do presidente da fundação, Marcelo Xavier.

“Manifestaremos nossa profunda tristeza e indignação pelo assassinato bárbaro do nosso colega Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips e exigiremos a devida identificação e responsabilização de todos os culpados”, manifestou a associação de funcionários, nas redes sociais.

-Publicidade-

“Exigiremos, ainda, a saída imediata do presidente da Funai, Marcelo Xavier, que vem promovendo uma gestão anti-indígena e anti-indigenista na instituição.”

Sobre o caso

Bruno Pereira e Dom Phillips foram vistos pela última vez em 5 de junho, na região do Vale do Javari. Trata-se de uma área marcada por conflitos relacionados ao tráfico de drogas, ao roubo de madeira e ao garimpo ilegal.

A região do Vale do Javari é a segunda maior terra indígena do Brasil, equivalente ao território de Portugal, com pouco mais de 90 mil quilômetros quadrados. Vivem na região ao menos 10 mil indígenas.

Pereira era servidor afastado da Funai e sofria ameaças de garimpeiros que atuam na área. Já o jornalista, que colaborava para o jornal The Guardian, recebeu no ano passado uma bolsa da Fundação Alicia Patterson, dos Estados Unidos, para investigar a preservação e a conservação da Amazônia.

Até o momento, três suspeitos foram presos nas investigações sobre os assassinatos. Jefferson Lima da Silva se entregou aos oficiais de Polícia Federal e Polícia Civil no sábado, na cidade de Atalaia do Norte (AM). Antes, os irmãos Amarildo da Costa Oliveira, conhecido como “Pelado”, e Oseney da Costa de Oliveira também fora detidos.

Na última quarta-feira, Amarildo da Costa Oliveira confessou a participação no desaparecimento de Dom e Bruno e indicou o local onde os corpos foram enterrados. Os restos mortais do indigenista e do jornalista foram identificados por meio de perícia técnica.

Leia também: “A imprensa quer explorar a morte de Dom e Bruno”, entrevista com Marcelo Xavier na Edição 117 da Revista Oeste. 

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

17 comentários Ver comentários

  1. Como foi comentado a greve desses caras nem vai ser notada. Como não fazem nada, ficarão mais uns dias sem fazer nada. Rua com esses parasitas colocados pelo PT. Salles quando ministro, tentou começar uma limpa, mas a imprensa esquerdopata nacional e internacional acabou conseguindo a saída do ministro.

  2. Absurdo o quanto às instituições públicas no Brasil foram cooptadas pelos comunistas!
    É fato que as mortes citadas nada tem a ver com o governo brasileiro e tampouco com o atual presidente da FUNAI, e que uma greve reivindicando algo nesse sentido precisa ser investigada e punida severamente, inclusive com os salários cortados.

  3. Pelas reportagens até agora, esse Indigenista NÃO estava em missão de trabalho. Estava por conta própria assim como o Reporte. O que o Estado tem com isto?. Não eram adultos?

  4. Pronto! Começou a palhaçada !!! Oportunistas! Gente asquerosa querendo se aproveitar da situação de pessoas que se arriscaram em nome de quê, ninguém sabe…. Querem aproveitar para tirar o presidente da FUNAI e voltar a roubalheira… Isto foi interrompido, agora querem aproveitar a “chance”. Fique esperto presidente.

  5. Corte de salário imediatamente ao começo de greve e processo de demissão por abandono de emprego .
    E se não voltarem será ótimo, não fazem falta alguma !

  6. Essa excrescência deveria ser extinta, cabide de empregos para esquerdopatas, as reservas indígenas deveriam ficar sob a tutela do Ministério da Defesa com apoio do Ministério da Agricultura e do Ministério das Minas e Energia. Acesso de Estrangeiros e ONGS em terras indígenas só com acompanhamento de servidores dos ministérios acima citados. Cobrar a conta pelas buscas dos dois ,do jornal em que trabalhava e do governo do ministro descabelado . 🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷🇧🇷

  7. A primeira tática de responsabilizar o presidente não deu certo, agora vem o segundo tempo, querem encontrar chifre em cabeça de burro, se tem alguém responsável pelas mortes, sao: os próprios assassinados e, os assassinos, ninguém mais. Houve sim, falta de responsabilidade dos envolvidos.

  8. Pronto a esquerda já quer greve! O caso já está nas mãos da polícia, deixa que a justiça investigue e puna os assassinos! Parem de fazer políticas em cima de cadáveres! É um desrespeito as famílias!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.