Governo vai fortalecer programa de combate ao tráfico nas fronteiras

Ministério da Justiça debate ampliar parceria com o Exército para fiscalização em divisas e áreas fronteiriças. Meta é usufruir da cadeia logística e de suprimentos dos militares
-Publicidade-
Foto: PF/Divulgação
Foto: PF/Divulgação

Ministério da Justiça debate ampliar parceria com o Exército para fiscalização em divisas e áreas fronteiriças. Meta é usufruir da cadeia logística e de suprimentos dos militares

Polícia Federal é um dos órgãos que monitoram as fronteiras | Foto: PF/Divulgação

O Programa Nacional de Segurança nas Fronteiras e Divisas (Vigia), do Ministério da Justiça e Segurança Pública, vai ser ampliado. O governo estuda expandir a parceria com o Exército para a compra e a manutenção de equipamentos. A ideia é estreitar a parceria e fazer aquisições em conjunto ao longo da cadeia de suprimentos e logística da Força Armada.

-Publicidade-

O Vigia é composto majoritariamente de agentes das polícias estaduais e federal, mas também tem o apoio do Exército. O que o governo sugere é otimizar melhor os recursos e aproveitar a cadeia logística dos militares. Em vez de o Ministério da Justiça licitar a compra e arcar com o processo logístico e operacional, o procedimento passará a ser feito pelo Exército.

A decisão não está sacramentada. Foi debatida em reunião ontem, segunda-feira 1º, mas não se bateu o martelo. A ideia ainda será ajustada até chegar ao modelo ideal. Participaram da reunião o titular da Secretaria de Operações Integradas (Seopi), Jefferson Lisbôa, o secretário-adjunto, Carlos Paim, e o coordenador-geral de fronteiras da pasta, Eduardo Bettini.

Orçamento

O fortalecimento ao programa não utilizará o Orçamento do Exército, se assim o governo chegar a um entendimento. Os recursos do Vigia serão repassados para o Exército por meio de um Termo de Execução Descentralizada (TED). A parceria não é difícil de ser firmada e pode ser feita via Acordo de Cooperação Técnica (ACT).

Leia mais: “Fechamento de fronteiras aumenta em 164,8% prejuízos aos criminosos”

Ou seja, a Seopi transfere recursos do Vigia para o Exército e os militares cuidam da aquisição de equipamentos e serviços. “Se existe um órgão federal que possibilita isso, é melhor repassarmos e fazermos a governança do serviço no âmbito do Vigia, a fim de otimizar e não simplesmente fazer um retrabalho”, explica Bettini a Oeste.

Resultados

O coordenador-geral de fronteiras exemplifica como o trabalho pode ser feito. “O Exército usa uma embarcação chamada Guardian, e tem toda uma cadeia logística e de suprimentos para manutenção. Nossa intenção é ter essa parceria com o programa Vigia e fazer distribuição da embarcação no controle fronteiriço e proporcionar a cadeia de suprimento e logística. Se a instituição na ponta precisar efetuar uma manutenção, vamos fazer isso via cadeia do Exército”, explica Bettini.

Leia mais: “Ministério da Justiça prova nas fronteiras que o crime não compensa”

A expectativa de Bettini é que a parceria amplie os resultados obtidos. “Vamos conseguir ter um apoio realmente efetivo e otimizar os trabalhos na ponta. Até então, vislumbramos que se fazia a compra, mas não se preocupava com o emprego de aquisições realmente inseridas em um contexto operacional”, destaca.

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro