Hospital Albert Einstein lança programa para apoiar startups

Projeto de biotecnologia vai integrar rede de cooperação internacional no desenvolvimento de remédios e vacinas
-Publicidade-
O novo Centro de Ensino e Pesquisa do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo
O novo Centro de Ensino e Pesquisa do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo | Foto: Divulgação

O Hospital Israelita Albert Einstein lança oficialmente neste mês um programa de inovação em biotecnologia para apoiar startups no desenvolvimento de remédios, vacinas e soluções diagnósticas.

Os primeiros editais para buscar empresas parceiras devem ser divulgados nas próximas semanas. A iniciativa vai integrar uma rede de cooperação internacional formada por instituições públicas e privadas de mais de dez países, como Estados Unidos e Reino Unido. Ainda neste ano, a expectativa é que os acordos de cooperação poderão ser ampliados para outros locais da América Latina, bem como para países asiáticos, como China, Japão e Coreia do Sul.

O objetivo é obter mentorias especializadas para as startups apoiadas e incentivar o intercâmbio tecnológico.

-Publicidade-

A sede da iniciativa será no Centro de Ensino e Pesquisa Albert Einstein, localizado na zona sul da capital paulista.

“Um programa como esse pode mobilizar as pessoas e essas características que estão à nossa volta para o desenvolvimento de novos conhecimentos”, explicou Henrique Neves, diretor-geral do Einstein. “A ideia é que a gente consiga reter pesquisadores brasileiros e atrair pesquisadores que estejam no exterior”, disse, ao jornal Estado de S. Paulo.

A definição de qual dos produtos será o foco do programa — se remédios ou vacinas, por exemplo — “está totalmente em aberto” e dependerá das parcerias que serão firmadas.

“Há muitas possibilidades no Brasil pela diversidade genética populacional, que permite validar e criar novos produtos não só genéticos”, afirmou Camila Hernandes Pinheiro, gerente de Inovação.

Conforme a direção do Einstein, antes de o programa ser criado, foram contratados estudos da iniciativa privada que apontam tendência de crescimento para a área de biotecnologia, o que vem ocorrendo sobretudo após o início da pandemia.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.