Ministro da Educação afirma que não há corte de verbas nas universidades federais

Vitor Godoy afirmou que trâmite é um ajuste operacional, e que orçamento é tratado de forma transparente
-Publicidade-
O novo ministro da Educação, Victor Godoy, já ocupou cargos no alto escalão federal e foi secretário-executivo do MEC | Foto: Divulgação/MEC
O novo ministro da Educação, Victor Godoy, já ocupou cargos no alto escalão federal e foi secretário-executivo do MEC | Foto: Divulgação/MEC

O ministro da Educação, Victor Godoy, afirmou nesta quinta-feira, 6, que não há corte de verbas nas universidades federais do país, mas sim um ajuste na movimentação financeira até o final do ano, para que sejam cumpridas as regras determinadas pela Lei de Responsabilidade Fiscal. Godoy veio a público se manifestar depois que um decreto do governo, publicado na última sexta-feira, 30, resultou em uma redução no empenho de despesas das universidades no montante de R$ 328,5 milhões.

“É preciso deixar claro que não há corte no Ministério da Educação. Não há corte no orçamento das universidades federais. Tivemos uma limitação na movimentação financeira. Isso é um ajuste operacional que é feito no orçamento. Isso é comum que seja feito, baseado na Lei de Responsabilidade Fiscal. Essa limitação do empenho faz um melhor ajuste do orçamento até o final do ano”, explicou o ministro.

Segundo garantiu o ministro, o orçamento disponibilizado para as universidades  será o mesmo em dezembro, quando o decreto deixa de valer. “O mesmo orçamento que existia até o final do ano vai ter em dezembro”, garantiu.

-Publicidade-

Segundo Godoy, as limitações orçamentárias foram determinadas pelo Ministério da Economia.  A limitação do empenho determinado pelo decreto impacta, inclusive, as emendas parlamentares, que não podem mais ser liberadas até dezembro. Nos bastidores, a informação apurada por Oeste é de que a limitação do empenho é uma das ações que o presidente Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição, e a equipe econômica encontraram para possíveis incrementos a programas de renda, como o Auxílio Brasil.

Para evitar o que o Ministério da Educação chamou de “uso político” do decreto pela oposição, Godoy afirmou que estará aberto para receber os reitores de universidades públicas para conversar sobre a possibilidade de ajustes.

“O Ministério da Educação está sempre aberto para receber os reitores, eu sempre recebo reitores. O Ministério da Educação tem tratado a questão do orçamento das universidades de maneira transparente e responsável”, garantiu ele.

Limite de movimentação financeira foi criticada por entidades

A limitação dos empenhos determinada por meio do decreto presidencial foi criticada por entidades que representam as universidades públicas. Por meio de nota, a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) afirmou que o decreto coloca em risco o sistema de funcionamento das universidades.

“Essa limitação estabelecida pelo Decreto, que praticamente esgota as possibilidades de pagamentos a partir de agora, é insustentável”, afirmou a entidade.

Godoy rebateu a informação. De acordo com o ministro, ainda há hoje no orçamento das universidades 15% de “espaço de empenho”. “Existe, sim, espaço para que seja feito o pagamento daquelas despesas que são importantes para a continuidade das atividades”.

 

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

5 comentários Ver comentários

  1. O LULA É LADRÃO
    O LULA É VAGABUNDO
    O LULA É SAFADO
    O LULA É CORRUPTO

    E QUEM VOTA OU APOIA OU DEFENDE ESTE DEMÔNIO,É PIOR! ISSO MESMO! É PIOR! DO QUE ESSE VAGABUNDO LADRÃO.
    ESTAVAM TODOS ENTOCADOS E DIZIAM SER BOLSONARO A MÁSCARA CAIU E AGORA CORRERAM PARA OS BRAÇOS DO DEMÔNIO DO CARNIÇA , AGORA QUE SE REVELARAM A DERROTA DO DEMÔNIO VIRÁ E SERÃO ENVERGONHADOS TODOS , É ASSIM QUE DEUS FAZ, ELE NÃO FAZ IGUAL AOS HOMENS, ELE PRIMEIRO PURIFICA NO FOGO E DEPOIS REVELA OS QUE SÃO FIÉIS,AGUARDEM!

  2. Quando sua campanha patina e inexiste governo ou realizações a relatar, resta a Bolsonaro a mentira.

    Bolsonaro e seus seguidores mentem tanto que começam a acreditar nas suas mentiras. Ou nas patranhas excretadas nas cloacas da internet que não cansam de reproduzir.

    1. Cara, vá se informar e pára se falar merda….Isso é uma adequação à lei de responsabilidade fiscal , lei que o Partido dos trabalhadores desconhece e nunca respeitou.

  3. Deveria cortar verbas sim. Até que as universidades deixam de ser formadoras de ativistas comunistas e passem a ensinar matérias do currículo de formação de profissionais.

  4. Deixa pra lá, quem liga para a Educação? Ainda tem gente que pensa que basta mandar verbas… As pessoas não conseguem ler e avaliar uma cartinha, quanto mais ler um livro por ano! É pedir demais, né? Deixa pra lá, tem outras coisas…

    https://www.change.org/Manifesto-pela-qualidade-do-ensino

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.