MPF quer regulamentar uso de cloreto de potássio em aborto

Alegação é de que o uso da substância sem anestesia fere ‘direitos humanos’

-Publicidade-
O MPF quer regulamentar uso de cloreto de potássio em abortos
O MPF quer regulamentar uso de cloreto de potássio em abortos | Foto: Reprodução/Freepik

O Ministério Público Federal (MPF) recomendou ao Ministério da Saúde a regulamentação do uso de cloreto de potássio (KCI) nos procedimentos de aborto. Se a sugestão for aceita, o uso dessa substância será proibido quando o feto não estiver anestesiado antes de ser morto no ventre materno.

O documento foi assinado pelo procurador-regional dos Direitos do Cidadão, Fernando de Almeida Martins. A manifestação ocorreu depois que a Rede Nacional em Defesa da Vida e da Família, entidade pró-vida com atuação no Brasil, encaminhou uma representação sobre a questão ao MPF.

No Brasil, o aborto é permitido em três situações: quando não há outro meio de salvar a vida da mulher; quando a gravidez for resultante de estupro; e quando houver má formação fetal, com inviabilidade de vida extrauterina.

-Publicidade-

Ainda que não haja previsão no manual do Ministério da Saúde sobre o aborto, alguns médicos têm usado cloreto de potássio (sem anestésico) na realização do procedimento — mesmo em casos de gestação com mais de 20 semanas.

Apesar de todas as formas de aborto causarem dor ao feto, que terá morrido depois do procedimento, o uso de cloreto de potássio sem anestesia é responsável por uma intensificação do sofrimento.

Segundo a representação, esses profissionais de saúde se baseiam nas orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e em um parecer do Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp), publicado em 1998.

Leia também: “Pró-aborto, presidente da Câmara dos EUA recebe comunhão no Vaticano”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

4 comentários Ver comentários

  1. O absurdo está na moda.
    Ontem enjoei – de fato, não é apenas uma expressão – ouvindo um programa jornalístico no rádio, enquanto dirigia no trajeto do trabalho para casa.
    Uma suposta jornalista abordava a questão do aborto, citando expressões decoradas como: “liberdade de escolha”, “direitos individuais”, “papel da mulher na sociedade”, “conquistas da mulher na sociedade”.
    Pasmem, ela citou o aborto como fazendo parte de “direitos humanos”.
    Em momento algum ela falou do direito à vida do bebê.
    O mundo está doente.

  2. Como pode alguém que jurou defender a vida e a saúde dos outros realizar tal procedimento ?

    Fico imaginando que tipo de pessoa faz isso.

    Como a psiquiatria os qualifica.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.