Operação da PF faz a maior apreensão de madeira da história

A ação Handroanthus GLO apreendeu ao menos 131,1 mil metros cúbicos de madeira nativa
-Publicidade-

A ação Handroanthus GLO apreendeu ao menos 131,1 mil metros cúbicos de madeira nativa

Madeira
Toras de madeira nativa apreendidas durante a Operação Handroanthus GLO | Foto: Divulgação/Polícia Federal

Uma operação da Polícia Federal na divisa entre Pará e Amazonas resultou na maior apreensão de madeira nativa ilegal da história do país: foram 131,1 mil metros cúbicos.

-Publicidade-

Batizada de Handroanthus GLO, a ação confiscou madeira suficiente para a construção de 2.620 casas populares e teve atuação do Ministério Público Federal.

Leia também: “Prefeito de Niterói (RJ) é alvo de operação da Polícia Federal”

O título da operação faz referência ao nome científico do Ipê, planta que costuma ser vendida ilegalmente na região norte do país, e à Garantia da Lei e da Ordem (GLO), legislação que autoriza a atuação das Forças Armadas no combate a crimes ambientais.

Segundo informações da Polícia Federal, os dados da apreensão ainda são preliminares, e uma nova perícia será feita com apoio do Exército Brasileiro para contabilizar o número de madeira retida.

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 comentários

  1. Este é um tipo de ação que precisa ser amplamente divulgada para mostrar que o Brasil está agindo contra a derubada criminosa da nossa floresta. A prisão de madeireiros, incendiários, garimpeiros, posseiros e outros meliantes fora da lei é o que mais ajuda a desmentir que o governo brasileiro apoia e acoberta atos ilegais.

  2. Realmente o Governo Brasileiro não apoia nem acoberta o desmatamento, mas infelizmente também mostra que “a Inês já estava morta”. Para evoluir nesse sentido e mostrar sua efetiva realização é necessário coibir, investigar para evitar e não somente descobrir após já está desmatado. É preciso de coragem para perguntar: com tantos satélites do INPE e do SIPAM ; com tanto monitoramento ; e com tanta informação disponível por quê se constata que 40 mil toras de Ipê foram derrubadas somente após o fato consumado? É uma pergunta importante pessoal, não devemos nos furtar de fazê-la para podermos apoiar o Governo. Essas ações punitivas são importantes, mas como disse : “A Inês já está morta”

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site