Plant-based: mercado deve atingir US$ 370 bilhões até 2035

Setor tem atraído investimentos de empresas gigantes na produção de proteína animal, como BRF, JBS e Marfrig
-Publicidade-
Hambúrguer 100% vegetal à base de planta | Foto: JamesTahhan/Flickr
Hambúrguer 100% vegetal à base de planta | Foto: JamesTahhan/Flickr

O mercado de carnes feitas à base de plantas (plant-based) tem atraído investimentos de empresas gigantes do setor, como BRF, JBS e Marfrig. A perspectiva é de que esse ramo acelere seu crescimento e atinja entre US$ 100 bilhões e US$ 370 bilhões no mundo até 2035. Segundo projeções financeiras compiladas pelo The Good Food Institute (GFI), esses valores podem representar de 7% a 23% de participação nos negócios globais de proteínas.

Leia mais: Startup chilena que produz comida à base de plantas recebe aporte de US$ 235 milhões”

Ainda, de acordo com esse levantamento, o brasileiro está diminuindo o consumo de carnes tradicionais e optando por proteínas alternativas, em um movimento conhecido como flexitarianismo — pessoas que diminuíram o consumo de produtos de origem animal, mas não cortaram definitivamente. Entre os motivos apontados por esses consumidores, ter uma quantidade menor de gordura é o principal, citado por 43%.

-Publicidade-

Leia também: “iFood adere ao politicamente correto e negócios reveem cardápio”

 

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

5 comentários

  1. Daqui a pouco, estaremos todos comendo proteínas alternativas como farofa de caruncho, gafanhotos, baratas cultivadas, grilos, morcego em pó para sopas, etc… e os chineses, comendo filet mignon, picanha, miolo de alcatra, coxão mole, etc… todos esses itens produzidos aqui para nossos senhores, os chineses.

  2. O brasileiro está comendo menos carne por conta do preço. A vontade de comer é a mesma, o que mudou, para pior, foi o poder aquisitivo devido ao aumento no preço da carne.

  3. E assunto polêmico. A “Impossible foods” americana parece ser a única a ter atingido um resultado satisfatório quanto à textura, cheiro e gosto. Nos supermercados poderemos já ver as “plant based” mas todas com níveis altos de colesterol. Ainda não vi a “Impossible foods” nos supermercados.

  4. As proteínas de origem vegetal apresentam inúmeras vantagens em relação às correspondentes animais: maior proporção de fibras e de colesterol HDL, inexistência de metais pesados e colesterol LDL, menor impacto ambiental (as maiores plantações de víveres vegetais exigem menos irrigação e poluem menos a atmosfera do que a menor área destinada ao gado de corte ou pesca, pois implicam as rações e o consequente gasto de água, e emissão de CO² e metano). Sem abordar o problema ético do abate dos animais. Sou vegetariano há 52 anos.

  5. Equilíbrio é a palavra de ordem. Nosso organismo não pode prescindir do colágeno e ferro que tem na carne, principalmente a bovina.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro