Prefeito de São Paulo sanciona lei que põe no fim da fila quem escolher vacina

As pessoas que não quiserem receber o imunizante disponível no posto de saúde terão de assinar um termo de recusa
-Publicidade-
Quem se recusar a tomar a vacina disponível irá para o fim da fila em São Paulo
Quem se recusar a tomar a vacina disponível irá para o fim da fila em São Paulo | Foto: Governo do Estado de São Paulo

O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), sancionou a lei que coloca no fim da fila as pessoas que escolherem o tipo de vacina contra a covid-19, se recusando a receber a aplicação da dose do imunizante que estiver disponível. A sanção foi publicada na edição desta terça-feira, 27, do Diário Oficial do Município.

De acordo com a legislação aprovada, “aquele que for retirado do cronograma de vacinação por recusa do imunizante será incluído novamente na programação após o término da vacinação dos demais grupos previamente estabelecidos”.

Leia mais: “Sem garantia de doses, prefeitura de São Paulo adia vacinação de pessoas com 28 anos”

-Publicidade-

As pessoas que não quiserem tomar a vacina disponível no posto de saúde terão de assinar um termo de recusa, que será juntado ao cadastro único do paciente na rede municipal de saúde — de modo que não será possível se vacinar em outra unidade.

A nova regra vale também para os inscritos na “xepa” da vacina. As exceções são gestantes, puérperas e pessoas com comorbidades.

Leia também: “Brasil, Uruguai, Argentina e outros latinos superam média mundial de doses aplicadas”

O projeto havia sido aprovado na Câmara Municipal no dia 16 de julho. O texto é de autoria do vereador Carlos Bezerra Jr. (PSDB).

Leia também: “Estado de SP já tem 72% de adultos vacinados com pelo menos uma dose”

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

11 comentários

  1. FDP’s, é o cidadão quem paga as vacinas com os seus impostos. Se existe mais de um tipo de vacina o cidadão tem o direito de escolher. Esses comunistas têm que ser extirpados da política, e isso só será possível com o voto auditavel. Como será que Renan Calheiros e Omar Aziz se elegem apesar dos roubos?

    1. Curiosa em saber como isso vai funcionar, vai ter coerção física para assinar o documento? É o tipo de lei inócua, as pessoas vão perguntar na fila qual a vacina e se não for a que querem vão embora. Eu fiz isso. Estão criando medidas totalitárias, antipáticas, um absurdo.

      1. Pensei exatamente o meso. Se eu vou até o posto voluntariamente, não faz o menor sentido quererem me obrigar a assinar. Qual é o próximo passo? Arrastar as pessoas de casa para vacinar?

  2. coisa mais idiota, desde quando o cidadao que vai ao posto e descobre que nao é a vacina que ele espera tomar, vai dar os seus dados e assinar um termo, é só sair a procura de outros postos como todos fazem

    1. Eu não escolhi vacina nenhuma. Continuo tomando Ivermectina de 15/15 dias e Vitamina D3 todo dia. Não há comprovação científica? Nao sei. Só sri que desde de abril do ano passado nem sequer uma “gripezinha” peguei.

  3. Isto sim é ditadura, querem obrigar a gente a tomar as porcarias que eles querem, e sera assim a marca da Besta, na imposição é o treinamento, pesquisem, acordem, lutem, reajam a esta gente e a nova ordem mundial.

  4. Deve ser a rejeição da CoronaVac,
    Prefiro mil x aguardar, que injetar vacina emergencial chinesa..

    Me reservo ao direito de escolha.
    Vou continuar na Ivermectina.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro