Saúde libera vacinação de pessoas até 59 anos sem comorbidades, mas não divulga datas

Segundo a pasta, essa imunização deve ocorrer em paralelo à vacinação dos grupos prioritários, que está em andamento em todo o país, nos locais em que não houver demanda dos segmentos preferenciais
-Publicidade-
Segundo nota técnica do Ministério da Saúde, pessoas entre 18 e 59 anos sem comorbidades podem começar a ser vacinadas
Segundo nota técnica do Ministério da Saúde, pessoas entre 18 e 59 anos sem comorbidades podem começar a ser vacinadas | Foto: Divulgação/Unsplash

Em nota técnica do Programa Nacional de Imunizações (PNI) divulgada nesta sexta-feira, 28, o Ministério da Saúde autoriza a vacinação contra a covid-19 de pessoas entre 18 e 59 anos que não tenham comorbidades. Segundo a pasta, essa imunização deve ocorrer em paralelo à vacinação dos grupos prioritários, que está em andamento em todo o país, nos locais em que não houver demanda dos segmentos preferenciais.

Entretanto, a nota técnica não estipula um cronograma para a imunização da população em geral. Segundo o governo federal, caberá às secretarias estaduais e municipais de Saúde definirem as novas etapas do calendário, com base nas faixas etárias e por ordem decrescente de idade.

Leia mais: “‘Não é com lockdown que você controla a pandemia’, diz infectologista”

-Publicidade-

“A gente não pode deixar a vacina estocada. Então, nós resolvemos flexibilizar um pouco essa ação para que a gente possa acelerar a vacinação dos grupos prioritários. Essa demanda reduzida pode estar relacionada às superestimativas do grupo, principalmente de comorbidades. A gente utilizou dados da Política Nacional de Saúde, mas não faz um match, uma combinação perfeita com todas as comorbidades elencadas no plano de vacinação”, explicou a coordenadora do PNI, Francieli Fantinato.

Leia também: “Anvisa autoriza armazenamento da vacina da Pfizer por até 31 dias”

Pelo menos por enquanto, segundo a nota técnica do ministério, crianças e adolescentes não estão incluídos no programa de imunização contra a covid-19.

A pasta também definiu a ordem de prioridade para os profissionais da educação: primeiro, os trabalhadores de creches, seguidos por aqueles que atuam em pré-escolas, ensinos fundamental, médio e profissionalizante, Educação de Jovens e Adultos (EJA) e, por último, ensino superior. O grupo inclui também profissionais da limpeza, da portaria e da manutenção.

Leia também: “Saúde anuncia chegada de mais 2,3 milhões de doses da Pfizer”

Com informações do jornal O Globo

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro