Secretário dos Transportes de SP defende escalonamento de horários

Em entrevista ao Opinião no Ar, da RedeTV!, Alexandre Baldy reconhece a dificuldade de se evitar as aglomerações no transporte público em uma cidade como São Paulo
-Publicidade-
Alexandre Baldy, secretário dos Transportes Metropolitanos de SP, participou do <i>Opinião no Ar</i>, da RedeTV!
Alexandre Baldy, secretário dos Transportes Metropolitanos de SP, participou do Opinião no Ar, da RedeTV! | Foto: Reprodução/YouTube

Em entrevista ao programa Opinião no Ar, da RedeTV!, nesta quinta-feira, 22, o secretário dos Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo, Alexandre Baldy, defendeu um escalonamento de horários para desafogar o horário de pico e diminuir as aglomerações diárias, em um momento ainda de grande disseminação do novo coronavírus.

Silvio Navarro, editor-executivo de Oeste, e Rodrigo Constantino, colunista da revista, participaram da entrevista. O programa é apresentado por Luís Ernesto Lacombe e também conta com a participação da jornalista Amanda Klein.

Leia mais: “Pandemia em SP está ‘sob relativo controle’, afirma Doria”

-Publicidade-

“Eu fui o primeiro, em abril do ano passado, a colocar o desenho do escalonamento de horário de trabalho. Para que pudéssemos ter o horário de pico aumentado”, afirmou Baldy. “Neste momento, seria importante, como foi adotado na China, um país de muito disciplina. A gente aumentaria o horário de pico de duas horas para entre quatro e seis horas. Temos que otimizar isso, e o escalonamento seria a maneira mais inteligente para diluirmos esse horário de ida e volta do trabalho”, completou o secretário.

Baldy reconheceu a dificuldade de se evitar as aglomerações no transporte público em uma cidade como São Paulo, por exemplo. “O transporte público sempre foi concebido, projetado e construído para transportar massas, um alto fluxo de passageiros”, afirmou. “Temos desde o dia 26 de fevereiro de 2020 conversado bastante com outros sistemas de transporte de mesmo tamanho, como Paris, Londres, Pequim e Xangai, para absorver experiências.”

Leia também: “Gigante do setor de energia quer introduzir ônibus elétricos no Brasil”

“É um enorme desafio. As aglomerações no sistema de alto fluxo foram projetadas para ser assim. Temos implementado um modelo de higienização de todo o sistema e, principalmente, das superfícies em que as pessoas tocam. […] Dentro de um trem, no metrô, o ar é trocado 22 vezes por hora. No escritório, o ar só é trocado em torno de oito vezes por hora. Essa troca constante é bem maior do que nos ambientes fechados em que nós trabalhamos e dá uma maior segurança”, explicou o secretário. “Não temos como evitar que esse aglomerado seja transportado, a menos que possamos parar o sistema de alto fluxo. Aqueles que são obrigados a trabalhar certamente precisarão ir a seu trabalho.”

Baldy citou um estudo elaborado pelo metrô de Nova York, nos Estados Unidos, que apontou que o risco de contaminação era de 7%, em um momento de pico da pandemia. Ele disse, no entanto, que não é possível saber ao certo qual é esse percentual no Brasil. “Nós aqui avaliamos de acordo com o que os profissionais de saúde nos passam.”

Redução do movimento

Alexandre Baldy afirmou que as medidas mais restritivas adotadas pelo governo de São Paulo reduziram a movimentação no transporte público. “Estávamos transportando em torno de 5,5 milhões de passageiros antes da fase vermelha. Em um dia normal, o sistema transporta 10,5 milhões de passageiros”, explicou. “Houve uma média de 52% a 53% na redução, e depois chegou a 62% a 63%, chegando a um número de 3,8 milhões de usuários.”

Leia também: “A aglomeração dos invisíveis”, reportagem de Silvio Navarro publicada na Edição 56 da Revista Oeste

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 comentários

  1. O secretário está atestando o fracasso das ações para a gestão da pandemia implementadas pelo Governo Dória. Levaram mais de um ano infectando o povo nos transportes coletivos e levando o virus para as famílias confinadas por ordem do Dória. Não é atoa que São Paulo é a campeã de óbitos devidos à peste chinesa.

    1. ….quando penso nessa turma horrível só consigo me lembrar de cenas de O Grande Ditador, de Charles Chaplin, …… esse governo está sendo uma desgraça para São Paulo, cidade e Estado…… Gente arrogante, prepotente, com objetivos outros muito distintos daqueles da esmagadora maioria da população, e que transformou o governo numa plataforma de marketing e balcão de negócios…..

  2. …..um ano depois ainda estão discutindo escalonamento de horários, …. é muita incapacidade, muita incompetência, ou má fé mesmo…….. É claríssimo que deveria ter sido dada toda a autonomia para a flexibilização de horários, com aumento de frota inclusive, e nunca diminuição, e ainda com a manutenção da atividade econômica com restrições de quantidade atendimentos em lojas e restaurantes juntamente com medidas preventivas, …. O que esses sujeitos horríveis e arrogantes conseguiram foi a destruição de centenas de milhares de negócios, levando a falência e à pobreza uma parcela significativa de nossa população !!!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site