Sírio-Libanês cria fundo para captar R$ 100 milhões

Instituição pretende investir em ensino, pesquisas e abertura de unidades ambulatoriais nos próximos anos
-Publicidade-
Em 2020, o Sírio-Libanês teve receita líquida de R$ 2,2 bilhões, com um déficit de quase R$ 120 milhões
Em 2020, o Sírio-Libanês teve receita líquida de R$ 2,2 bilhões, com um déficit de quase R$ 120 milhões

O Hospital Sírio-Libanês pretende captar R$ 100 milhões nos próximos cinco anos. Para isso, a instituição filantrópica criou um fundo patrimonial. Os recursos serão aplicados, principalmente, para pesquisa, ensino e abertura de unidades ambulatoriais.

Esse movimento do Sírio-Libanês é para tentar reverter o cenário dos últimos anos, em que vem perdendo médicos renomados para grandes grupos capitalizados, como a Rede D’or. Médicos conceituados buscam liderar áreas de pesquisa, que, até então, estavam concentradas em instituições sem fins lucrativos.

Segundo o CEO do Sírio-Libanês, Paulo Nigro, há também planos de captar recursos com instituições internacionais de pesquisa, o que abrirá portas para estudos entre pesquisadores estrangeiros e brasileiros. “Nesse contexto, faz sentido ter um fundo patrimonial focado em pesquisa”, disse, ao jornal Valor Econômico.

-Publicidade-

Atualmente, o Sírio-Libanês recebe doações para projetos específicos. Em geral, os doadores são famílias, ex-pacientes e empresas ligadas à comunidade fundadora do hospital, que neste ano completou um século.

Fundo patrimonial

Em um fundo patrimonial, apenas os rendimentos do fundo são utilizados e o principal fica preservado. Além disso, pela atual legislação, os recursos não podem ser resgatados para pagamento de dívidas nem despesas rotineiras das instituições beneficiadas.

Em relação ao mercado dos Estados Unidos, o Brasil ainda engatinha nesse tipo de fundo. As referências mundiais são as universidades de Harvard, com patrimônio de cerca de US$ 42 bilhões, seguida de Yale, com US$ 31 bilhões, e Stanford, que tem um fundo de US$ 29 bilhões.

Em 2020, o Sírio-Libanês teve receita líquida de R$ 2,2 bilhões, com um déficit de quase R$ 120 milhões.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.