STF forma maioria pela manutenção do foro privilegiado nos ‘mandatos cruzados’

O chamado 'mandato cruzado' ocorre quando um deputado se elege para o Senado ou um senador é eleito para a Câmara
-Publicidade-
Maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal manteve o foro privilegiado nos casos de 'mandato cruzado'
Maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal manteve o foro privilegiado nos casos de 'mandato cruzado' | Foto: Divulgação/STF

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria de votos pela manutenção do foro privilegiado para parlamentares nos casos em que ocorre o chamado “mandato cruzado” — quando um deputado se elege para o Senado ou um senador é eleito para a Câmara.

A maioria da Corte entendeu que os políticos-alvo de processos criminais devem continuar sendo julgados na instância máxima do Judiciário brasileiro mesmo quando trocam de Casa legislativa. Segundo os magistrados do STF, as ações não devem ser encaminhadas a instâncias inferiores nesses casos.

Leia mais: “Extensão de patentes é inconstitucional, decide STF”

-Publicidade-

O caso foi julgado no plenário virtual da Corte, a partir de um recurso apresentado pelo senador Márcio Bittar (MDB-AC). O parlamentar questionou a decisão da ministra Rosa Weber de enviar para a primeira instância um processo sobre eventual uso irregular da cota parlamentar do senador quando ele era deputado federal.

Os ministros Edson Fachin, Alexandre de Moraes, Nunes Marques, Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Cármen Lúcia e Ricardo Lewandowski votaram pela manutenção do foro privilegiado nos casos de mandato cruzado. Rosa Weber, Luís Roberto Barroso e Marco Aurélio Mello divergiram. O julgamento será concluído na terça-feira 11. Falta apenas o voto do presidente do STF, Luiz Fux.

Leia também: “Um Supremo que virou partido”, artigo de J. R. Guzzo publicado na Edição 59 da Revista Oeste

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários

  1. Esse tribunal(zinho) só pensa na classe abastada, esquecendo que os salários e benefícios pagos aos funcionários públicos, tem origem no imposto que o “povo” paga! Ainda haverá uma revolução contra esses previlegiados…

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro