Tempestade de poeira volta a atingir cidades do interior paulista

É a quarta vez que o fenômeno climático é registrado nas últimas três semanas em municípios paulistas
-Publicidade-
Tempestade de poeira voltou a ser observada em cidades do interior de São Paulo
Tempestade de poeira voltou a ser observada em cidades do interior de São Paulo | Foto: Reprodução/Redes sociais

Pelo menos 11 cidades do interior do Estado de São Paulo foram atingidas por uma tempestade de poeira na tarde desta quinta-feira, 14. É a quarta vez que o fenômeno climático é registrado nas últimas três semanas em municípios paulistas.

Há relatos da tempestade de poeira em Ribeirão Preto, Barretos, Batatais, Pirassununga, São Joaquim da Barra, Pitangueiras, Sertãozinho, Serrana, Brodowski, Jardinópolis e Colômbia.

Leia mais: “As tempestades de poeira não são culpa do agronegócio”

-Publicidade-

No fim de setembro, os primeiros registros da tempestade de poeira foram observados, principalmente, na cidade de Franca (a 400 quilômetros da capital paulista). Alguns dias depois, foi a vez de a região oeste do Estado ser afetada, em municípios como Presidente Prudente e Juqueirópolis. Seis pessoas morreram.

Como Oeste informou, trata-se de um fenômeno natural — e o culpado não é o agronegócio, ao contrário do que parte da imprensa chegou a noticiar. Segundo o climatologista Ricardo Felício, é comum que essas tempestades ocorram em períodos de seca. Episódios parecidos foram registrados na década de 1990. “Trata-se de um processo de adubação natural decorrente de um período de transição climática de uma estação mais fria para outra mais quente”, explicou.

Leia também: “Tempestade de poeira ‘engole’ cidades do interior de SP e assusta moradores”

Essa adubação natural acontece porque o vento forte carrega restos de matéria orgânica vegetal e animal, como folhas, cascas, ossos e fezes, que formam a poeira. A transição do inverno para a primavera, aliada à falta de chuva, contribuiu para o tamanho das nuvens.

A tempestade de poeira acontece quando temporais de chuva com ventos fortes entram em contato com o solo seco. Assim, forma-se um “rolo compressor” de sujeira que pode alcançar até 10 quilômetros de altura.

Leia também: “Cidades de SP e do MS voltam a registrar ‘tempestade de poeira’”

Com informações do jornal Folha de S.Paulo

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.