TSE impede governo de veicular campanha de vacinação contra poliomielite

Ministro da Saúde faria pronunciamento em cadeia nacional
-Publicidade-
O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes, negou o pedido
O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes, negou o pedido | Foto: Antonio Augusto/Secom/TSE

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) impediu o Ministério da Saúde de transmitir em cadeia nacional de rádio e televisão uma campanha para incentivar a vacinação de crianças contra a poliomielite. O pronunciamento do ministro Marcelo Queiroga seria veiculado na sexta-feira 7, para alertar os pais sobre a doença.

A Secretaria de Comunicação Social solicitou a autorização para transmitir a peça em 30 de setembro. Contudo, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes, negou o pedido.

Na decisão, o ministro disse que, embora o pronunciamento seja educativo sobre a importância da vacinação, não há gravidade e urgência para justificar a aparição de Queiroga em cadeia nacional durante as eleições. Pela lei, a autorização prévia do TSE é necessária durante o período eleitoral.

-Publicidade-

“De fato, mesmo que a divulgação de dados e alertas assuma inegável importância para a adequada conscientização e, consequentemente, aumento da cobertura vacinal, mostra-se plenamente viável que a população tenha acesso a tais informações por outros meios, razão pela qual, no caso, não se revela imprescindível que, para atingir a mesma finalidade pretendida, o titular da pasta se pronuncie na rede nacional de rádio e TV, sob pena de violação ao princípio da impessoalidade, tendo em vista a indevida personificação, no período eleitoral, de ações relacionadas à administração pública”, argumentou Moraes.

Queiroga comentou a decisão depois de participar de um seminário sobre o futuro da indústria farmacêutica no Brasil, na quarta-feira 5.

“Nós fizemos a nossa parte, mas o presidente do TSE entendeu que feria preceitos constitucionais de impessoalidade”, disse Queiroga. “Os poderes são autônomos, devem ser harmônicos e todos nós temos de nos curvar à legislação.”

O ministro disse que a pasta vai atingir a meta de vacinar 95% das crianças menores de 5 anos contra a poliomielite. Atualmente, segundo a pasta, a cobertura vacinal está em torno de 60%. Ao todo, 14,3 milhões de crianças devem receber a dose.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

44 comentários Ver comentários

  1. Esse caveça de ovo esse cumunista safado ainda vai se acertar com Bolsanaro é um vagabundo sem precedentes, se esse mostro faz isto com uma coisa tão séria que naofará com as urnas?

  2. O outro lado chama nosso presidente de canibal, mas ele não pode convocar o povo para tomar a Sabin. Bom estão o Sr ministro se responsabiliza caso alguma criança venha a ter paralisia infantil?

  3. Perguntamos aos candidatos ao governo de São Paulo como acabar com a Cracolândia, reduto de viciados no centro da capital paulista. Veja o que eles responderam:

    *Fernando Haddad (PT):* Essa população de viciados não pode ficar na rua, vamos alugar apartamentos para eles morarem no centro de São Paulo e lhes dar algum dinheiro para comprarem comida.

    *Tarcísio de Freitas (Republicanos):* É necessario promover o acolhimento para reinserção social, com desintoxicação, capacitação, geração de trabalho e renda. Melhorar as condições das comunidades terapêuticas, com proximidade à natureza. Criar “portas de saída” como programas de inserção de pessoas em situação de rua, ex-dependentes e egressos do sistema prisional no mercado de trabalho formal, principalmente em empresas parceiras e em obras contratadas e/ou concedidas pelo Estado.

    https://revistaoeste.com/politica/eleicoes-2022/cracolandia-o-que-dizem-os-programas-dos-candidatos-ao-governo-de-sp/

  4. Mais um absurdo ditatorial de um tribunal que se tornou um partido político. Além do que mostra o grau de irresponsabilidade e falta de compromisso com o País.

  5. A reportagem poderia informar qual foi o posicionamento do TSE, em relação a este assunto, quando o PT estava no poder. Houve ou não divulgação da campanha?

  6. A cada criança que tiver polio, uma anotação no fogo do inferno para o TSE e STF!!!!
    Se houver acerto de contas após a morte, vão responder.

  7. esta homossexual KBEÇA DE PIROKA tem que ser morto antes que nos mate….impede a divulgação da campanha para que as globolixos, CNNChina, Bandchina, Datafoice, Infestadão, UOLadrão, etc, divulguem que o governo não vacia mais nada

  8. Xandão…o advogadinho psicopata que pensa que é juíz, delegado, investigador e polícia. É apenas um funcionário público indicado/apadrinhado, em cargo em comissão(sem concurso), de ministro…

  9. Desculpe aí Seu Magalhaes!
    Pelo que li acho que o tal “ócio criativo” não põe feijão na mesa!
    O tal soxixiólogo me parece apenas mais um porra-louca querendo seus 15 minutos de fama…

  10. Prezado Marcelo Magalhães,
    Vou replicar aqui o que você escreveu :
    “Neste momento, vocês estão nas mãos de um ditador”, disse o sociólogo italiano Domenico de Masi, autor de O Ócio Criativo, argumentando que Mussolini, Hitler e Erdogan também foram eleitos.”
    Então vamos lá, o referido autor ecreveu o livro “O ócio criativo”, ou seja, viver o ócio para poder ter mais criatividade.
    Você, assim como eu, deve ter lido esse livro.
    Vamos pedir para que ele venha ao Brasil explicar para um cortador de cana, que ele tem que deixar de trabalhar para ter excelentes idéias. Vamos pedir para ele explicar que mesmo que esse trabalhador deixe de comer e alimentar sua familia, o importante é ser criativo.
    Ele não sabe a realidade do Brasil. Na verdade ele nem deve saber sobre a realidade da própria Itália, que acaba de eleger uma líder conservadora.
    Nos entristrece muito testemunharmos diariamente “especialistas” em Brasilidade que não conhecem nada do Brasil ( haja visto o Macron ).
    A inteligencia no Brasil está rebaixada desde a época de Paulo Freire e é interessante para aqueles que desfrutam das nossas riquezas naturais que continue assim.
    Portanto estamos cansados de pessoas dando palpite no rumo de nossas vidas sentados em frente ao Coliseu ou bebendo vinho ao lado da Torre de Pisa.
    Seria interessante que esse senhor tivesse se empenhado em uma luta agrerrida quando o seu país entrou em franca decadencia pelos desmandos implantados pela Cosa Nostra ou por liderança de Silvio Berlusconi ( Talvez ele até tenha feito isso, mas nos falta essa informação ).
    E finalizando, estamos muito ocupados tentando consertar o rumo do nosso país que foi destruído por regimes de esquerda, para dar ouvidos a sociólogos estrangeiros que vivem cagando regras sobre assuntos que desconhecem completamente.

  11. Moraes não é medico, ele não pode passar
    por cima do ministro da saúde. Aposto que os familiares dele ,estão devidamente vacinados.

  12. Esses marginais do STF e TSE já passaram da hora de levar um cacete todo dia. Cacete no bom sentido, claro, o outro cacete eles providenciam o Viagra e gel para o 9 Dedos enrabá-los todos os dias!

  13. ESSAS ATITUDES DEVERIAM SER USADAS CONTRA O LADRÃO QUE FOI SOLTO PORQUE ESTÁ CLARO QUE SÓ BENEFICIARÁ AO CARNIÇA DE NOVE DEDOS O VAGABUNDO O CORRUPTO O SAFADO O LAAADDDRRRRAAAOOOO!!

  14. Se há uma decisão de Moraes que – literalmente – redunda em mortes, eia, aí, crua e cruel, diante de nossos olhos.
    É evidente que a manifestação do titular do Ministério da Saúde, em rede nacional, cria o alerta.
    Ainda mais em um país cuja a Imprensa Velha tem, preservada, uma audiência que, inexoravelmente, atinge os mais pobres e os mais mal informados.
    Nenhum princípio que norteie o processo eleitoral se sobrepõe ao direito à vida.
    Este homem, que não encontra mais limites, agora, contribuiu para a morte.
    E, nesse seu intento fascista – ele, verdadeiramente, um fascista – pode também se dar a honorabilidade de genocida.
    Amanheço, hoje, com profunda tristeza de ser brasileiro e padecer, em pleno 2022, de uma ditadura silenciosa, amiga de jornalistas servis e, como toda a ditadura, infame.

  15. É um teatro dos horrores.
    Uma doença tão grave, que causa deformidades físicas permanentes nas pessoas ser tratada de maneira tão déspota.
    A vacinação está com pouca adesão e é obrigação do Ministério da Saúde difundir e incentivar os pais a levarem as crianças para tomar a vacina.
    O Ministro Queiroga tem tentado falar com a população, mostrar a gravidade da doença e tentar convencer os riscos sérios de saúde que correm as crianças brasileiras.
    Mas aí, vem o nosso stf e proíbe o Ministério de proteger nossas crianças.
    Não desejo que os netos ou bisnetos desses “juízes” sejam acometidos por esse mal mas, deverão prestar contas às crianças e seus pais que por acaso venham contrair essa doença tão grave que marca nossas crianças para sempre.

  16. “Neste momento, vocês estão nas mãos de um ditador”, disse o sociólogo italiano Domenico de Masi, autor de O Ócio Criativo, argumentando que Mussolini, Hitler e Erdogan também foram eleitos.

    Leia trechos da entrevista:

    “Esta ditadura reduz a inteligência coletiva do Brasil. Durante esta pandemia, Bolsonaro se comportou como uma criança, de um jeito maluco. Ou seja, o ditador conseguiu impor um comportamento idiota em um país muito inteligente. Porque é isso que fazem as ditaduras.

    Este me parece um fato tão óbvio que às vezes nos passa despercebido. Quando o país é comandado por pessoas tão tacanhas, a tendência é o rebaixamento geral do nível cognitivo da sua população.

    É fácil entender por quê. Sob Bolsonaro, Damares, Araújo, Pazuello, Salles, Guedes & Cia, vemo-nos obrigados a retomar debates passados, alguns situados na Idade Média, ou no século 19, como se fossem novidades.

    Terraplanismo, resistência à vacinação e a medidas básicas de segurança sanitária, pautas morais entendidas como questões de Estado, descaso com o meio ambiente, tudo isso remete a um passado que considerávamos longínquo.

    Quando entramos nesse tipo de debate entre nós, ou com as “autoridades”, é como se voltássemos da pós-graduação às primeiras letras do curso elementar. Somos forçados a recapitular consensos estabelecidos há décadas, como se nada tivéssemos aprendido.

    É como forçar cientistas a provar de novo a esfericidade da Terra ou a demonstrar eficácia da vacinação. Ou defender, outra vez, a necessária separação entre Igreja e Estado, mais de 230 anos depois da Revolução Francesa.

    É muita regressão e ela nos atinge. De repente, nos surpreendemos discutindo o óbvio, gastando tempo com temas batidos e desperdiçando energia arrombando portas abertas séculos atrás na história da humanidade.

    À parte a necessária luta política para nos livrarmos o quanto antes dessa gente, entendo que existe uma luta particular e que depende de cada um de nós: a luta para não emburrecer.

    Manter a lucidez e a inteligência através da leitura de bons autores e da escrita. Manter viva a sensibilidade pela conversa com pessoas normais e pela boa música. Assistir a bons filmes para contrabalançar a barbárie proposta pela vida diária e pelas redes sociais.

    Enfim, mantermo-nos íntegros e fortes para a reconstrução futura do país. Não podemos ser como eles. Não devemos imitá-los em sua violência cega. Não podemos nos deixar contaminar por sua estupidez. Eles passarão. E estaremos aqui, para recomeçar.

    Provavelmente, o que leva a esse rebaixamento é o ódio e o ressentimento por levar as pessoas a se sentirem, no fundo, perdedoras (é o caso de todos os bolsonaristas que conheci mais de perto) e ter de encontrar bodes expiatórios para culpá-los. A cultura competitiva, que estabelece, com critérios perniciosos, o que é ter sucesso, faz com que quem entra nesse jogo perverso, sinta-se, no final das contas, sempre um perdedor.”

    https://viladeutopia.com.br/sociologo-italiano-domenico-di-masi-constata-o-rebaixamento-da-inteligencia-coletiva-brasileira/
    Vale a pena ler. E claro, repassar.

    1. Acabei de ler seu comentário. Honestamente, fiquei com a sensação de ter sido seu único leitor. Também postei meu comentário.
      Discordo complemente do que você diz. Respeitosamente.
      A esquerda abraçou a pauta identitária porque desistiu da luta de classes. Portanto, foi ela, a esquerda, quem teve a ideia de retrazer esses temas à mesa.
      Não é possível, ao contrário do que você deseja, reduzir os que apertarão 22 em 30 de outubro a idiotas inclementes e irrecuperáveis. Antes fosse fácil assim. É muito mais complexo, todavia.
      Entendo as limitações, deslizes, concessões etc. de Bolsonaro. Tenho consciência – desculpe-me a expressão – da putaria toda.
      Ocorre que não há alternativa.
      Aliás, perplexo, percebo que você encontra essa alternativa em um sujeito vulgar, vagabundo, bêbado, descomprometido com nada que não seja vingança e ódio.
      E me correu por dentro saber que uma elite pretensamente culta – nós, do 22, somos incultos, claro – é, na verdade, esnobe, arrogante, nojenta.
      Avoca-se, ela, essa elite, o direito de conduzir o país, embora não seja dela, dessa elite nojenta, encastelada em cátedras de marfim, que partem a produção de grãos e o trabalho.
      Elite nojenta, vou repetir. Elite maconheira da Vila Madalena, da USP e das PUCs. Elite cujas calcinhas e cuecas são lavadas por mãos nordestinas, e o camarão do Coco Bambu é entregue, à porta do prédio, por pretos e miscigenados, estes, sim, prováveis eleitores de Bolsonaro.
      Elite afetada com a falta de modos do presidente, reduzida ao ridículo consórcio de imprensa, leitora dos checadores de fatos, admiradora de Moraes, para quem torce, em um ato de vassalagem sem precedentes.
      Elite inútil.

      1. Prezado Eleandro, já havia lido e comentado em outra matéria esse mesmo texto do Sr. Marcelo Magalhães.
        Na realidade parece ser um pobre coitado absolutamente deslocado da realidade demonstrando um estado próximo à psicopatia, que não dá para contra argumentar.
        É apenas triste!.

  17. 1. O habitante de Banânia é geralmente bastante desavisado.
    2. É importante informar o bananense para que ele não seja atropelado por uma desgraça.
    3. Poliomielite, vulgo paralisia infantil, é muito grave e aleija, quando não mata!
    4. É importante convencer os pais dos bananensinhos que eles devem vaciná-los assim que possível.
    5. Deve-se utilizar de todos os meios de propaganda com o objetivo de atingir o máximo de vacinação contra essa doença, particularmente através o Ministério da Saúde.
    Agora vem a pergunta: caso uma onda de paralisia infantil golpeie Banânia por insuficiência de vacinação poderemos eventualmente acusar o Xandão de genocídio? E olha que no caso a vacina está disponível!

  18. Como eu queria ver este sujeito fora dali!
    Estou preocupado com esse negócio de tirar o povo do SPC (idéia do Ciro que por mais absurda ganha votos sim!) e o Nordeste que não entende que se a situação é ruim a culpa é do PSDB e principalmente do PT.
    Bolsonaro tem que explicar isso exaustivamente, repetir milhões de vezes.
    Francisco Bicudo

  19. o xandão esta prejudicando as crianças Brasileiras, aonde estão os presidentes do senado e da câmara que não tomam atitude ? os pais das crianças precisam saber da campanha de vacinação

  20. Com a nova composição do Senado, o ativismo judicial das cortes superiores será combatido a partir de 2023. Mais um motivo para continuar com Bolsonaro no segundo turno, o homem que mostrou a verdadeira face da mentirosa “nova república”.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.