A inflação é um fenômeno global, diz secretário

Segundo Carlos da Costa, a economia brasileira sofreu com os impactos causados pela pandemia do novo coronavírus
-Publicidade-
Carlos da Costa participou de <i>Os Pingos nos Is</i>
Carlos da Costa participou de Os Pingos nos Is | Foto: Reprodução/YouTube

O secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade, Carlos da Costa, disse nesta sexta-feira, 10, que a inflação observada no Brasil se acentuou em virtude da pandemia, que acabou por afetar a economia global. “O preço das commodities disparou em todo o mundo”, explicou o secretário, em entrevista concedida ao programa Os Pingos nos Is, da rádio Jovem Pan. “Esse problema também é enfrentado pelos Estados Unidos e pela Europa.”

Segundo Costa, as dificuldades econômicas são fruto da diminuição da produtividade. “No Brasil, a produção não precisaria ter caído tanto”, criticou. “Contudo, observamos a turma do ‘fique em casa, a economia a gente vê depois’. Pois bem, agora chegou o momento. Até que as cadeias de suprimento voltem a ficar equilibradas, a inflação permanecerá alta. Quando há aumento da demanda sem a oferta proporcional de bens e serviços, ocorre a inflação.”

O secretário ressalta que o fenômeno observado no Brasil é de natureza passageira. “Temos a inflação sob total controle do Banco Central”, afirmou. “Para que a inflação fosse evitada, as taxas de juros precisariam ser aumentadas, e isso geraria impacto negativo na geração e manutenção de empregos. Então, tomou-se a decisão de evitar medidas como aquela, porque estrangularia a economia e aumentaria o custo do próprio governo federal.”

-Publicidade-

Investimento externo

Conforme avalia Costa, o país precisa continuar a receber investimento externo, visto que esses recursos possibilitam a expansão da capacidade produtiva. “Diferentemente de outros tempos, o Brasil está entre os principais destinos de investimento estrangeiro direto, que vai para a produção, não para a especulação”, asseverou. “Antes, o país era o paraíso dos rentistas e o inferno dos produtores, como diz o ministro da Economia, Paulo Guedes.”

Impacto das fake news

O secretário explica que a disseminação de notícias falsas acerca de confusões políticas, somadas às fake news sobre a suposta devastação da Amazônia, gera dúvidas na cabeça dos investidores estrangeiros. “É natural, o empresário vive de informações. A mídia tradicional, exceção feita à rádio Jovem Pan, que tem desempenhado um trabalho fantástico de jornalismo, concentra-se apenas nas más notícias”, disse. “A realidade é que as más notícias e as boas notícias existem, mas o Brasil tem predominantemente boas notícias.”

Reformas liberais

Durante o governo do presidente Jair Bolsonaro, o país implementou a Lei da Liberdade Econômica, a Lei do Ambiente de Negócios, o Marco Legal das Startups, o Marco Legal das Telecomunicações, a Lei do Cadastro Positivo, o Marco do Gás e o Marco das Ferrovias. “Essas reformas, que já foram estabelecidas, estão tornando o Brasil ainda mais convidativo para os investidores estrangeiros”, afirmou Costa. “São essas medidas que preparam o ambiente de negócios. Trata-se das reformas liberais que nós defendemos.”

Leia também: “A importância das minirreformas”, artigo de Ubiratan Jorge Iorio publicado na Edição 76 da Revista Oeste

Telegram
-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro