Revista Oeste - Eleições 2022

Argentina retoma exportações com fim da greve dos caminhoneiros

Categoria volta à ativa ao conseguir aumento de 20% no frete, e país vai tentar minimizar prejuízos da paralisação
-Publicidade-
Caminhoneiros reclamavam de frete defasado com alta do preço do diesel
Caminhoneiros reclamavam de frete defasado com alta do preço do diesel | Foto: Alf Ribeiro/Estadão Conteúdo

Os transportadores de grãos, cereais e oleaginosas encerraram a greve na Argentina, depois de conseguir um aumento de 20% na tarifa do frete. A manifestação foi liderada pela Federação de Transportadores Argentinos (Fetra).

Adicionalmente, o governo e os transportadores do país decidiram criar um Conselho de Transportes Agrícolas para gerenciar problemas, como infraestrutura portuária. Também vai ser definido um comitê de resolução de conflitos a respeito de impasses que envolvam tarifas.

As transportadoras alegaram que a tarifa de frete anteriormente praticada não refletia os custos das operações, bem como a falta de diesel nas províncias e reformas nos portos.

-Publicidade-

Exportações comprometidas

Na última semana, milhares de caminhões estacionaram nas estradas e paralisaram as exportações. A Argentina é o maior exportador mundial de farinha e óleo de soja, além de um dos principais comerciantes de trigo, soja e milho.

A greve aconteceu em meio à safra 2021/22 da agricultura argentina, sendo impulsionada pelo aumento do preço do combustível depois da invasão russa à Ucrânia. A Federação de Transportadores Argentino alegava que “as entidades agrícolas negam o preço real do diesel que os transportadores estão pagando”.

Atualmente, o diesel é comercializado por 191 pesos argentinos (R$ 7,50). “A greve causa prejuízos de cerca de US$ 100 milhões por dia”, disse Gustavo Idígoras, presidente da Câmara do Centro da Indústria do Petróleo e Exportadores de Cereais. “Cerca de 200 toneladas não estão sendo descarregadas nos terminais portuários.”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

  1. Só a inflação geral dos preços ao consumidor foi de 55%, sendo que a inflação dos combustíveis deve ter sido ainda maior. Conseguiram 20%, resolve o caso?

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.