Câmara aprova nova lei do gás

Medida deve evitar a formação de monopólio, baratear o custo do insumo e atrair investimentos
-Publicidade-
O marco aumentará o número de empresas atuantes no setor
O marco aumentará o número de empresas atuantes no setor | Foto: Jussara Peruzzi/Agência Petrobras

A maioria dos deputados aprovou na madrugada desta quarta-feira, 17, a nova lei do gás. O texto segue, agora, para sanção presidencial. Com a medida, o governo prevê reduzir o valor do insumo, atrair investimentos, aumentar a competição e evitar monopólio. A queda de custo deve atingir os principais consumidores do produto: a indústria e o setor de energia termelétrica. O marco aumentará o número de empresas atuantes no setor. Dessa forma, estimulando a competição de modo a romper o monopólio da Petrobras. Além disso, o Palácio do Planalto vai incentivar os Estados a privatizarem suas empresas e atualizarem os marcos regulatórios próprios. Segundo o Ministério de Minas e Energia, a iniciativa tem potencial para destravar R$ 32,8 bilhões em aportes em infraestrutura até 2032.

Principais pontos da lei

-Publicidade-
  • Estabelece o regime de autorização para gasodutos — atualmente, vigora o de concessão. O processo vai se tornar mais simples e cada agente poderá construir, ampliar, operar e manter livremente as estruturas de transporte, por sua conta e risco;
  • Impede a relação societária direta ou indireta entre transportadores, exercida por monopólio, e produtores e comercializadores, em regime competitivo;
  • Assegura o livre acesso a terceiros de infraestruturas essenciais como gasodutos de escoamento, unidades de processamento de gás natural e terminais de liquefação e regaseificação. As empresas deverão pagar por esse acesso — hoje, restrito aos donos, no caso à Petrobras.

Leia também: “O que esperar da política energética e mineral”, entrevista com o ministro Bento Albuquerque publicada na Edição 42 da Revista Oeste

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 comentários

  1. Daqui a dois anos vamos lembrar a todos os eleitores do RJ o quanto o nhonho atrasou o progresso do Brasil,
    Sentando com o seu trazeiro gordo encima deste e de outros projetos essenciais para o desenvolvimento sustentável do país.

  2. A controvérsia srs.!
    Projeto de Lei n° 4476, de 2020
    (Marco regulatório do gás)
    Iniciativa: Deputado Federal Antonio Carlos Mendes Thame (PSDB/SP)
    Autoria: Câmara dos Deputados
    Nº na Câmara dos Deputados: PL 6407/2013
    Assunto: Econômico – Minas e energia.
    Natureza: Norma Geral

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.