Gestora britânica de R$ 530 bilhões mantém otimismo com economia brasileira

Ashmore, que tem sob gestão US$ 93 bilhões, é considerada referência global em mercados emergentes; empresa fala em 'visão mais positiva'
-Publicidade-
Perspectivas da economia brasileira são positivas, diz gestora britânica especializada em mercados emergentes
Perspectivas da economia brasileira são positivas, diz gestora britânica especializada em mercados emergentes | Foto: Divulgação/Flickr

Ao contrário de algumas análises catastróficas de parte do mercado em relação ao futuro da economia brasileira, a gestora britânica Ashmore, que administra US$ 93 bilhões (cerca de R$ 530 bilhões) e é considerada referência mundial em mercados emergentes, segue otimista com o Brasil.

Leia também: “Os avanços silenciosos”, reportagem de Silvio Navarro publicada na Edição 53 da Revista Oeste

-Publicidade-

Em entrevista ao InfoMoney, Gustavo Medeiros, responsável pela área de pesquisa macroeconômica global e de mercados emergentes da empresa, traçou um cenário bem diferente daquele que vem sendo apresentado nos últimos meses por instituições como BlackRock, JP Morgan e Credit Suisse.

Leia mais: “Guedes pede compromisso com ‘responsabilidade orçamentária’”

“Toda parte negativa fundamental do Brasil, o mercado já conhece há algum tempo. De agora em diante, há alguns potenciais que podem surpreender do lado positivo, como a campanha de vacinação se acelerando, um orçamento que seja consistente com o teto de gastos e a aprovação de algumas reformas”, analisa Medeiros.

Leia também: “Brasil gera 401 mil empregos com carteira assinada e tem melhor fevereiro em 30 anos”

Segundo ele, “o cenário continua ainda bem turbulento, longe de ser um céu de brigadeiro”, mas há perspectivas animadoras. “Se olharmos através dessa tempestade, tem alguns fatores que podem levar a essa visão mais positiva”, afirmou. Em seu portfólio, a empresa conta com papéis da Petrobras, que, segundo Medeiros, “vai gerar um caixa absurdo nos próximos anos”.

Atualmente, o Brasil responde por 4% da carteira de ações nos fundos da gestora. Em relação à dívida em dólar, a Ashmore tem posição underweight (abaixo da média) em títulos soberanos brasileiros. A dívida corporativa de empresas brasileiras é o maior foco da gestora neste momento.

Leia também: “MP do Ambiente de Negócios tem potencial de aumentar PIB em até 8,6% a longo prazo”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.