Governo avalia dar o ‘aluguel social’ à iniciativa privada

Ministério do Desenvolvimento Regional ainda estuda aplicar a medida
-Publicidade-
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Ministério do Desenvolvimento Regional ainda estuda aplicar a medida

governo avalia
A medida ainda está em andamento, mas uma das possibilidades é formatar uma espécie de condomínio
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Ministério do Desenvolvimento Regional estuda inserir um terceiro pilar no programa Casa Verde e Amarela (que substituiu o Minha Casa Minha Vida): o aluguel social. É o que informou nesta segunda-feira, 7, o jornal O Estado de S. Paulo. Em síntese, essa modalidade funciona assim: o poder público (União, Estado ou município) banca uma parcela do aluguel das famílias contempladas no programa, reduzindo o volume dessa despesa no orçamento familiar. Hoje, metade do déficit habitacional qualitativo do país é representado por famílias que gastam mais de 30% da renda com o aluguel.

-Publicidade-

A medida ainda está em andamento, mas uma das possibilidades é formatar uma espécie de condomínio: o terreno pode ser cedido pelo poder público local, no qual a empresa constrói residências destinadas ao aluguel social. Uma parte da locação é paga pelos moradores e outra pelo governo, seja federal, estadual ou municipal. A empresa ficaria responsável por administrar esse condomínio durante a vigência do contrato, obtendo receita tanto pelo aluguel quanto pela exploração de espaços comerciais dentro do empreendimento. No jargão do setor, seria uma concessão patrocinada.

Discutiu-se inicialmente que o foco do programa seria atingir famílias que ganham até três salários mínimos (R$ 3.135) ou eventualmente o perfil do grupo 1 do Casa Verde e Amarela, cuja renda vai até R$ 2 mil. Esse critério também vai depender do perfil econômico de cada cidade. Como a ideia ainda está em estudo, nada está definido. Independentemente de critérios específicos, o governo garante ter um alvo certo para atacar com o aluguel social: o problema enfrentado por famílias mais pobres que, por decisão ou impossibilidade, não são atendidas pelo lado da produção habitacional.

Leia também: “Shopping de luxo é inaugurado em São Paulo”

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários

  1. Num país que não há segurança jurídica, onde a Constituição é desrespeitada e quase que foi considerada inconstitucional por apenas um voto, se indaga: O investidor que colocou seu dinheiro num programa social (o que já é um absurdo) quem o garante que amanhã entre uma espécie de Dilma Rousseff da vida, e como ele mesma disse de uma forma enigmática ou talvez profética: Retornaremos…e muda tudo isso daí a seu bel prazer? Se trata de investimento de longo prazo e pode muito bem estar sujeito a toda sorte de armadilhas no futuro?

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro