-Publicidade-

Guedes estuda fatiar reforma tributária em até três etapas

Primeira fase propõe a unificação do PIS e Cofins. A segunda discutirá a desoneração da folha com o imposto sobre pagamentos eletrônicos. Uma terceira é avaliada para corrigir o Imposto de Renda (IR) para empresas e consumidores
Guilherme Afifi Domingos, assessor especial do Ministério da Economia
Foto: Pedro França/Agência Senado
Guilherme Afifi Domingos, assessor especial do Ministério da Economia Foto: Pedro França/Agência Senado

Primeira fase da reforma tributária propõe a unificação do PIS e Cofins. A segunda discutirá a desoneração da folha com o imposto sobre pagamentos eletrônicos. Uma terceira é avaliada para corrigir o Imposto de Renda (IR) para empresas e consumidores

guilherme afif domingos - reforma tributária
Guilherme Afifi Domingos, assessor especial do Ministério da Economia, diz que o percentual da alíquota do imposto que viabiliza a desoneração da folha de pagamento ainda está sob análise | Foto: Pedro França/Agência Senado

A proposta de reforma tributária que o governo encaminhará ao Congresso será dividida em, pelo menos, duas etapas. Na primeira delas, a que será entregue terça-feira ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), a equipe econômica defenderá a unificação do PIS e do Cofins em um único tributo. O ministro da Economia, Paulo Guedes, chama esse imposto de Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS), que terá uma alíquota de 12%.

É somente na segunda etapa da reforma tributária de Guedes que o governo encaminhará sua proposta de desoneração da folha de pagamento. Para isso, defenderá o imposto sobre pagamentos eletrônicos, que, como Oeste antecipou, terá uma alíquota de 0,2%.

Uma terceira etapa é estudada pela equipe econômica. Nessa fase, seriam feitos ajustes no Imposto de Renda (IR) sobre pessoas físicas e pessoas jurídicas. Para as empresas, é analisada a redução do tributo sobre as empresas, mas propondo, em contrapartida, o tributo sobre lucros e dividendos. Para consumidores, a ideia avaliada é diminuir as deduções e aumentar a base de isenção.

Resistência

A proposta da CBS promete enfrentar resistência. Isso porque os dois projetos em discussão no Congresso, as Propostas de Emenda à Constituição (PECs) 45/19, da Câmara, e 110/19, do Senado, debatem a unificação do PIS e Cofins com outros tributos. Os defensores dos dois textos são contrários à ideia de um imposto unificado apenas com tributos federais.

O único texto que acomodaria a ideia do governo é a PEC 128/19, de autoria do deputado Luis Miranda (DEM-DF), presidente da Frente Parlamentar Mista da Reforma Tributária. A redação propõe um Imposto sobre Valor Agregado (IVA) Dual, composto por dois núcleos. Um unificando impostos federais, o qual poderia incluir a CBS, e um unificando o ICMS e ISS.

Desoneração

A alíquota do tributo estudado pelo governo para desonerar a folha de pagamento ainda está em estudo. Por isso, há a possibilidade de se elevar a alíquota para 0,4%, o que resultaria em uma receita de R$ 120 bilhões. Assessor especial de Guedes, Guilherme Afif Domingos explica que o tema ainda é debatido.

“Vamos escolher quanto vamos tirar sobre a folha, de quem ganha até um salário mínimo, até dois salários mínimos, ou tirar a contribuição da folha inteira. Para isso vamos ter que graduar esse novo imposto que viria para substituir a base tributária da folha de pagamento”, explicou, em entrevista ao O Globo.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 comentários

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.