Húngaros rejeitam aumento de impostos proposto em acordo mundial

O governo do país considerou um 'entrave à atividade econômica' a alíquota de 15% sobre as multinacionais
-Publicidade-
Foto: Canva
Foto: Canva

Nesta sexta-feira, 2, a Hungria reafirmou sua posição contrária ao acordo para aplicar uma alíquota mínima de 15% de impostos sobre o lucro de multinacionais. As autoridades locais consideram um “entrave à atividade econômica” a medida aprovada por 130 nações, proposta no âmbito da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico.

O governo do país, que aplica a taxa de 9% para as multinacionais estabelecidas em seu território, informou em comunicado à AFP que “rejeita qualquer iniciativa que leve a alta de impostos e enfraqueça a competitividade”. Entretanto, os húngaros assumiram o compromisso de continuar “trabalhando de forma construtiva com os outros Estados-membros” para chegar a um acordo “justo” — sendo estabelecido o mês de outubro como prazo-limite para o término das negociações de “um plano de aplicação efetiva em 2023”.

Leia também: “Lucro do setor industrial da China cresce entre janeiro e maio”

-Publicidade-

 

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site