-Publicidade-

Indicador de incerteza da economia cai pelo sexto mês consecutivo

Parte de expectativas do indicador fez com que ele caísse menos do que poderia, devido à cenário fiscal e ‘sinal amarelo’ da inflação.
Indicador de incerteza da economia caiu pelo sexto mês consecutivo | Foto: José Paulo Lacerda/CNI/Flickr
Indicador de incerteza da economia caiu pelo sexto mês consecutivo | Foto: José Paulo Lacerda/CNI/Flickr | incerteza, economia, fgv, indicador econômico

Parte de expectativas do indicador fez com que ele baixasse menos do que poderia, devido a cenário fiscal e ‘sinal amarelo’ da inflação

incerteza, economia, fgv, indicador econômico
Indicador de incerteza da economia caiu pelo sexto mês consecutivo
Foto: José Paulo Lacerda/CNI/Flickr

O Indicador de Incerteza da Economia, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), recuou 2 pontos de setembro para outubro. É a sexta queda consecutiva do indicador, que recuou, porém, em ritmo mais moderado. De agosto para setembro, por exemplo, o decréscimo havia sido de 14,5 pontos.

Com 143,8 pontos em setembro, o indicador ainda se situa 29 pontos acima do registrado no período pré-pandemia da covid-19, em fevereiro deste ano. Em março e abril, início do isolamento social provocado pela pandemia, o índice teve fortes altas, de 52 e 43,4 pontos, respectivamente.

A queda de agosto para setembro foi puxada pelo componente mídia, construído a partir de notícias na imprensa com menção à incerteza, que caiu 4 pontos e chegou a 126 pontos. Já o componente expectativas, baseado nas previsões de analistas econômicos, subiu 4,3 pontos e alcançou 194,3 pontos.

“O componente de mídia recuou, mas também desacelerou no mês, refletindo o cenário novamente deteriorado da pandemia no mundo e novas dúvidas quanto à evolução da pandemia no Brasil. Já o componente de expectativas, que mede a capacidade de prever cenários para os próximos 12 meses, voltou a subir em outubro. O componente reflete as incertezas quanto ao ritmo possível de recuperação da economia frente à possibilidade de novas ondas, o cenário fiscal, o sinal amarelo da inflação, agora mais espalhada entre os produtos, e a difícil capacidade de previsão do câmbio e da taxa de juros”, disse a economista da FGV Anna Carolina Gouveia.

Com informações da Agência Brasil

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês