Leste da África e Índia também sofrem com praga de gafanhotos

Gafanhotos que ameaçavam chegar ao Brasil foram detidos na Argentina por controle químico e ciclone bomba, mas no resto do mundo plantações inteiras são perdidas.
-Publicidade-
Gafanhotos afetaram gravemente a economia no leste da África e na Índia | Foto: Gerhard G./Pixabay
Gafanhotos afetaram gravemente a economia no leste da África e na Índia | Foto: Gerhard G./Pixabay | gafanhotos, praga, agricultura, áfrica, quênia, somália, índia, argetina

Insetos que ameaçavam chegar ao Brasil foram detidos na Argentina por controle químico e ciclone bomba, mas no resto do mundo plantações inteiras são perdidas

gafanhotos, praga, agricultura, áfrica, quênia, somália, índia, argetina
Gafanhotos afetaram gravemente a economia no leste da África e na Índia | Foto: Gerhard G./Pixabay

O Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Alimentar Argentino (Senasa) informou, nesta quinta-feira, que conseguiu praticamente eliminar a nuvem de gafanhotos que ameaçava o país e o Brasil.

-Publicidade-

Além do controle químico utilizado, o ciclone bomba que trouxe uma frente fria à região sul do país também ajudou a manter os insetos longe das plantações.

Engana-se, porém, quem imagina que o problema seja pontual e específico desta parte do planeta.

Apenas nesta semana, a Índia e o Leste da África entraram na batalha para eliminar vastas pragas de gafanhotos.

Um grande número deles varreu o Quênia e a Etiópia desde janeiro, devastando campos, pastagens e meios de subsistência. Os governos têm lutado para acabar com eles, os insetos continuam a se multiplicar aos bilhões, ameaçando economias inteiras, que também estão sendo atingidas pela pandemia da covid-19.

No mês passado, a Fitch, agência de classificação de crédito, emitiu seu primeiro aviso de que os gafanhotos poderiam abalar a estabilidade macroeconômica do leste da África.

Na Etiópia, os insetos vorazes podem elevar os preços dos alimentos, acelerando a inflação ao consumidor, que já está em torno de 20% ao ano. Também podem aumentar o déficit fiscal do país.

Em abril, calculou-se que os gafanhotos já haviam danificado 200 mil hectares de terras aráveis da Etiópia e 1,3 milhão de hectares de pastagens, apesar de uma campanha de pulverização.

Como resultado, mais 1 milhão de etíopes precisam de comida de emergência.

O Comitê Internacional de Resgate, uma ONG, diz que os gafanhotos também danificaram mais da metade das pastagens da Somália. Cerca de 20 milhões de pessoas já enfrentam fome na região.

A covid-19 e gafanhotos podem dobrar esse número, diz o Programa Mundial de Alimentos.

Já a Índia tem usado drones e helicópteros para pulverizar inseticidas, numa tentativa de proteger suas colheitas de um enxame.

A decisão foi tomada depois que os gafanhotos invadiram Gurugram, uma cidade satélite da capital Nova Délhi. Segundo foi dito, a praga sobrevoa o Oceano Índico e chega da Somália.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.