‘Não fazemos nenhuma mudança brusca’ diz presidente da Petrobras

O general Silva e Luna reconheceu que os preços dos combustíveis estão altos no Brasil
-Publicidade-
O presidente da estatal destacou que a companhia acompanha com bastante sensibilidade a situação no país
O presidente da estatal destacou que a companhia acompanha com bastante sensibilidade a situação no país | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente da Petrobras, general Joaquim Silva e Luna, disse na noite de quarta-feira 10, que a estatal não faz nenhuma mudança brusca nos preços dos combustíveis. De acordo com ele, os repasses aos consumidores acompanham o mercado.

“A Petrobras acompanha o valor do câmbio, que no nosso caso tem sofrido bastante, e depois o valor da gasolina e do petróleo em diferentes mercados”, disse em entrevista à CNN Brasil ao reconhecer que os preços estão altos.

“A inflação está elevada no mundo inteiro, por uma série de fatores convergentes. O petróleo é uma commodity e não é diferente com ele”, explicou.

-Publicidade-

O presidente da estatal destacou que a companhia acompanha “com bastante sensibilidade essa preocupação” com os preços, de não repassar ao consumidor.

“Chegamos a ficar 92 dias sem alterar preços dos combustíveis. Não fazemos nenhuma mudança brusca. Procura-se identificar se essa mudança é estrutural, só repassamos o impacto quando se configura um patamar acima ou abaixo”, garantiu.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

6 comentários Ver comentários

  1. A boa imprensa deveria informar como se compõe os preços nas bombas de combustível e esclarecer quanto recebe cada participante, Petrobras (gasolina pura), Usinas privadas (álcool), Governadores sem nada produzir (ICMS), Bolsonaro (Imp. Federais), Comerciante (Distr./Revenda). Portanto, a Petrobras além de não ser o “vilão” da inflação dos combustíveis, nem todos os aumentos na bomba são de sua responsabilidade, como sorrateiramente faz a imprensa quando diz que os combustíveis aumentaram 11 semanas seguidas (jornal da manhã GLOBO). No combustível gasolina comum(gasolina pura 73% e álcool 27%), a Petrobras cobra por 73% de gas. pura o vr. R$2,33 e as Usinas cobram por 27% de álcool anidro o vr. R$1,17. Logo o vr. por lt. gasolina pura é R$2,33/0,73=R$3,19 e o do álcool é R$1,17/0,27 =R$4,33. Não sabia que um litro de álcool é 35,7% mais caro que o de gasolina pura. Os governadores sem nada produzir cobram o ICMS de R$1,72 que representa 73,8% da gasolina cobrada pela Petrobras (R$2,33) e 49,1% da soma total dos combustíveis da Petrobras e Usinas (R$3,50).
    Por que a boa e idônea imprensa não informa quem são os vilões ao consumidor?

  2. Sei da competência do General. Porém, os 9 principais diretores têm um altíssimo salário, fora os altos valores em bônus. Depois, vem os altíssimos lucros dos acionistas, estes pelo menos correm riscos e riscos muito piores se os comunistas assumissem novamente, daí fecharia a Petrobrás de vez. O maior lucro de todos é o ICMS dos desgovernadores estaduais que chega a mais de 80% quando comparado com o custo da gasolina na saída da Refinaria, é o cúmulo dos absurdos, é o maior assalto à canetada.

  3. Não entendo o porque do reajuste do álcool também. Se a gasolina subisse e o preço do álcool permanecesse no mesmo patamar, os donos de carros flex abasteceriam odeio automóveis com este combustível no lugar da gasolina.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.