O Renda Cidadã e o risco fiscal

Não há mágica. E o mercado tem reiterado o apoio ao melhor caminho
-Publicidade-
Até agora, pouco mais de R$ 903 milhões referentes ao pagamento do auxílio emergencial foram devolvidos aos cofres públicos | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Até agora, pouco mais de R$ 903 milhões referentes ao pagamento do auxílio emergencial foram devolvidos aos cofres públicos | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Não há mágica. E o mercado tem reiterado o apoio ao melhor caminho

o renda cidadã
Aplicativo auxílio emergencial do Governo Federal | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Há boas razões para a defesa do programa Renda Cidadã. Sobretudo a possibilidade de criação das chamadas “portas de saída” — instrumentos por meio dos quais o beneficiário poderá gradativamente deixar o guarda-chuva do assistencialismo para ingressar na economia produtiva. Mas o Brasil perde se o programa ficar de pé às custas do comprometimento fiscal. O país sairia da rota virtuosa traçada pela equipe econômica do governo, que vinha garantindo inflação baixa e juros em patamares nunca antes registrados.

-Publicidade-

Não há mágica. E o mercado tem reiterado o apoio ao melhor caminho:

1º) Privatizar ou extinguir estatais, enfrentando as consequências políticas, corporativistas e jurídicas decorrentes;

2º) Aprovar uma reforma tributária que não aumente a carga de impostos, já extremamente excessiva num país de serviços públicos deploráveis;

3º) Aprovar uma reforma administrativa que reorganize o aparelho do Estado, elimine privilégios e não envolva apenas servidores que venham a ser contratados, mas também aqueles que hoje compõem a máquina.

É clara a mensagem dos agentes econômicos: o governo e o Congresso não devem ceder à tentação de assegurar a popularidade com a erosão das finanças públicas.

Leia também: “O custo da ineficiência”, reportagem publicada na edição n° 2 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

4 comentários Ver comentários

  1. A pergunta e como fazer isso com o Congresso atual e com o STF tentando barrar todas as ações do governo para que o pais não cresça???

    Acho corretas as três proposta porem não consigo ver outro caminho. Será muito bom mais reportagens sobre o tema. Precisamos discutir isso amplamente como sociedade.

  2. Mas como fazer isso com o Congresso que temos, como fazer isso se o STF é formado por ativistas judiciais de esquerda, canalhas que se sentem os deuses editores do Brasil?

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.