Petrobras atinge recorde anual de produção no pré-sal em 2021

Número representa mais do que o dobro do volume produzido na região há cinco anos
-Publicidade-
Nova fachada do Edise, o edifício-sede da Petrobras, no Rio de Janeiro | Foto: André Motta de Souza/Agência Petrobras
Nova fachada do Edise, o edifício-sede da Petrobras, no Rio de Janeiro | Foto: André Motta de Souza/Agência Petrobras

A Petrobras registrou em 2021 um novo recorde anual de produção no pré-sal, atingindo 1,95 milhão de barris de óleo equivalente por dia (boed).

O volume corresponde a 70% da produção total da companhia no ano passado, que foi de 2,77 milhões de boed.

-Publicidade-

O recorde anterior era de 2020, quando foi alcançada a marca de 1,86 milhão de boed, representando 66% da produção total da Petrobras.

A estatal afirmou que a produção no pré-sal vem crescendo rapidamente, e o recorde registrado em 2021 representa mais do que o dobro do volume que produziu na região há cinco anos.

“Com a manutenção do foco de atuação nas suas atividades em ativos em águas profundas e ultraprofundas, a Petrobras continuará investindo na aceleração do desenvolvimento dos campos do pré-sal, que possuem alta produtividade, maior resiliência a baixos preços de petróleo e mais eficiência em carbono”, disse a companhia, em nota.

A Petrobras prevê no seu Plano Estratégico 2022-26 investimentos de US$ 57 bilhões no segmento Exploração e Produção (E&P), sendo 67% desse total no pré-sal, que receberá 12 das 15 novas plataformas previstas para entrar em operação neste período e que deverá ser responsável por 79% da produção total da companhia em 2026.

“Com relação aos investimentos de 2022, está mantida a previsão divulgada de US$ 11 bilhões”, afirmou a empresa.

Com informações do Estadão Conteúdo

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. Uma pena que essa eficiência e baixo preço na exploração não reflete no nosso bolso, se não fossem os urubus e hienas que outrora faliram a Petrobrás, seria uma boa idéia estatizar ela, para assim poder ter controle sobre os preços e parar de assaltar o consumidor com sucessivos aumentos. Mas nossos representantes não possuem idoneidade moral para administrar a máquina pública sem ser contaminado pelo vírus da corrupção.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.