Pnad Contínua: Desemprego sobe para 12,6%

O IBGE divulgou nesta manhã a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua). O levantamento mostra um aumento de 1,3 ponto percentual da taxa de desemprego no trimestre que se encerrou em abri, com 12,6%, em comparação ao anterior, que fechou em 11,2%
-Publicidade-
Desemprego veio melhor que o esperado pelo mercado | Foto: Andrea Polini/Pixabay
Desemprego veio melhor que o esperado pelo mercado | Foto: Andrea Polini/Pixabay | Desemprego

Aumento foi de 1,3 ponto percentual em relação ao trimestre anterior; 12,8 milhões de brasileiros estão desocupados

Desemprego
Foto: Andrea Polini/Pixabay

O IBGE divulgou nesta manhã a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua). O levantamento mostra um aumento de 1,3 ponto percentual da taxa de desemprego no trimestre que se encerrou em abri, com 12,6%, em comparação ao anterior, que fechou em 11,2%. Em comparação ao mesmo período de 2019, com uma taxa de 12,5%, ocorreu uma estabilidade.

-Publicidade-

12,8 milhões de brasileiros estão desocupados, um aumento de 7,5%, ou 898 mil pessoas a mais, que no trimestre anterior, com 11,9 milhões de pessoas. O número é ligeiramente inferior ao trimestre no mesmo período de 2019, com 13,2 milhões de desocupados.

MAIS: “Modernização trabalhista impede números ainda piores de desemprego

A Pnad Contínua aponta uma população ocupada de 89,2 milhões, uma queda de 4,9 milhões, 5,2%, em comparação ao trimestre anterior. Em comparação a igual período de 2019, o recuo foi de 3,1 milhões, ou 3,4%. Essas quedas foram recordes, de acordo com a série histórica.

70,9 milhões de pessoas estão fora da força de trabalho, este é o maior valor já registrado desde o início do levantamento em 2012. A alta em comparação ao trimestre anterior foi de 5,2 milhões, 7,9%.

Essa queda do emprego ocorre no período em que a economia do Brasil está sendo duramente atingida pelo efeitos da pandemia do coronavírus. A economia mundial, como exemplo da norte-americana com um desemprego recorde, também sente os efeitos.

Rendimento

Em comparação ao trimestre anterior, o rendimento real habitual do trabalhador teve uma alta de 2,0%, passando para R$ 2.425. Já em relação ao igual período do último ano, a alta ficou em 2,5%.

MAIS: “Mais de 2,8 milhões de pessoas pedem seguro-desemprego em maio

Já o rendimento real habitual teve um recuo de 3,3% em relação ao trimestre anterior, passando de R$ 218,9 bilhões para R$ 211,6 bilhões. Em relação ao mesmo trimestre de 2019, também ocorreu uma queda. Naquele período o valor fechou em R$ 213,3 bilhões.

 

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.