Portabilidade de financiamento imobiliário cresce 144% em 2021

Em março de 2020, houve 3.606 pedidos de portabilidade de crédito imobiliário. No mesmo mês de 2021, foram realizados 8.803 pedidos
-Publicidade-
Em 2021, portabilidade de financiamento imobiliário cresceu 144%
Em 2021, portabilidade de financiamento imobiliário cresceu 144% | Foto: Reprodução/Mídias Sociais

A portabilidade do financiamento imobiliário — transferência de dívida para outra instituição financeira em busca de juros menores — registrou alta de 144,1% em março deste ano. Em março de 2020, houve 3.606 pedidos de portabilidade de crédito imobiliário, somando o Sistema Financeiro Habitacional (SFH), com juros limitados; e o Sistema Financeiro Imobiliário (SFI), bancado com recursos dos bancos e taxas definidas pelo mercado. No mesmo mês de 2021, por sua vez, foram 8.803 pedidos.

Portabilidade recomendada

Não obstante a recente alta da taxa básica de juros, para 4,25% ao ano, e a perspectiva de novos aumentos na taxa, especialistas avaliam que o consumidor não deve descartar a opção de fazer a portabilidade.

-Publicidade-

“Depende do tempo que resta até o vencimento e da taxa que foi contratada em relação à taxa atual”, afirmou o professor de Finanças do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper), Ricardo Rocha. “A portabilidade vale a pena se o consumidor consegue reduzir sua taxa.”

Segundo o professor de Finanças do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibmec), Gilson Oliveira, é preciso avaliar o Custo Efetivo Total (CET) da transação. “Muitas vezes, a instituição informa uma taxa inferior à contratada, mas pode haver taxas adicionais como administração, seguro do imóvel e tarifas que elevam o custo do financiamento.”

As regras da portabilidade

O cliente do banco A deve procurar o banco B, solicitando que este passe a ser o novo responsável pelo financiamento. Nesse caso, o segundo banco analisa a capacidade de pagamento para concluir se concordará com a transação.

A migração

Se a portabilidade for acordada, a instituição que receberá o financiamento quita a dívida com o banco original. Assim, a dívida do comprador da casa própria fica inteiramente sob responsabilidade da nova instituição.

A análise do imóvel

Na portabilidade do financiamento, o novo banco deve analisar o imóvel da mesma maneira como se o cliente estivesse contratando um empréstimo pela primeira vez. O proprietário do imóvel financiado terá de pagar a taxa de vistoria do imóvel e a transferência no Registro Geral de Imóveis (RGI).

A avaliação do crédito

Um ponto fundamental a ser observado pelo cliente, durante o processo de migração do financiamento, é a capacidade de pagamento. De maneira geral, os bancos fazem a análise de credit score — método para avaliar o risco de inadimplência do cliente.

Se, atualmente, o cidadão estiver em situação financeira menos favorável do que no momento em que contratou o financiamento, é possível que a portabilidade não seja autorizada. No entanto, caso as condições do orçamento estejam vantajosas, o cliente pode tentar a migração para aproveitar os juros mais baixos na concorrência.

Com informações do jornal O Globo

Leia também: “Governo federal propõe fim da isenção sobre os rendimentos dos fundos imobiliários”

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site