PT não se opõe às emendas de relator

Deputados do partido decidiram não se manifestar sobre o tema durante votação em comissão mista

A Oeste depende dos assinantes. Assine!

-Publicidade-
Deputados petistas não se posicionaram contra as emendas de relator
Deputados petistas não se posicionaram contra as emendas de relator | Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Deputados do Partido dos Trabalhadores (PT) não se manifestaram contra as emendas de relator em 2023. A legenda tomou a decisão durante a Comissão Mista de Orçamento (CMO) realizada na quarta-feira 30.

Votaram pelo fim das emendas de relator a deputada federal Fernanda Melchionna (Psol-RS), autora da proposta, e o deputado Elias Vaz (PSB-GO). Enio Verri (PR), Rui Falcão (SP), Leonardo Monteiro (MG), Waldenor Pereira (BA), Nilto Tatto (SP) e Paulo Guedes (MG), os petistas presentes na comissão, decidiram não se manifestar.

“O Orçamento secreto é a institucionalização do ‘toma lá, dá cá’ com o dinheiro público, com o dinheiro dos brasileiros, que financiaram a construção de uma base alugada pelo governo Bolsonaro”, disse a psolista, ao apresentar a proposta.

-Publicidade-

Durante a campanha eleitoral, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) prometeu acabar com as emendas de relator, qualificando-as como “moeda de troca” no Congresso.

‘Orçamento secreto’ que nunca existiu

Ao longo do primeiro mandato do presidente Jair Bolsonaro (PL), o consórcio de imprensa buscou implacavelmente um escândalo de corrupção que pudesse ser equiparado ao Mensalão e ao Petrolão. Houve diversas tentativas, até que uma delas fez sucesso entre os representantes da velha mídia: a existência de um “Orçamento secreto”. “É um esquema tão sofisticado que nem os próprios jornais conseguem comprovar os crimes”, escreve o jornalista Silvio Navarro, em reportagem publicada na Edição 125 da Revista Oeste.

É importante ressaltar que a peça orçamentária é manejada e aprovada pelo Congresso Nacional. Cabe ao Executivo enviar seu planejamento de despesas e arrecadação, mas o ajuste é realizado pelo Legislativo. E mais relevante: esses recursos são legais, previstos na legislação brasileira.

“É prática recorrente dos governos atender a pleitos dos parlamentares para manter a fidelidade de sua base no Congresso”, explica Navarro. “Goste-se ou não do modelo, é algo que se chama articulação política. No governo Bolsonaro, passou a ser tratado pelo consórcio de imprensa como um escândalo de compra de apoio parlamentar.”

Novalíngua na imprensa

Recentemente, a Folha de S.Paulo alterou o título de uma reportagem antiga, intitulada “Saiba o que é e como funciona o orçamento secreto”, para “Saiba o que é e como funciona a emenda de relator”. O termo substituído era amplamente utilizado para atribuir a Bolsonaro a responsabilidade por suposto esquema de compra de apoio parlamentar.

No mês passado, o jornal foi criticado por publicar uma reportagem com o título “Pacheco defende acordo entre Poderes para manter emendas de relator, criticadas por Lula”. A Folha respondeu aos leitores e disse que sempre usou o termo “emendas de relator” em sua cobertura noticiosa.

Contudo, é possível verificar em registros oficiais que o jornal também usou “orçamento secreto” em reportagens informativas. Em um desses textos, inclusive, a Folha alterou o título. E não comunicou seus leitores. A reportagem com o título antigo consta neste link.

Leia também: “A novilíngua da transição”, artigo de Augusto Nunes publicado na Edição 138 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

8 comentários Ver comentários

  1. Os Petralhas foram contra até o 2° turno das eleições, agora, que a água bateu na bunda, mudaram de nome de:” Emendas do Relator” para “Orçamento Secreto”, pode!!!! São uns hipócritas, mentirosos…

  2. Se o presidente é Bolsonaro, as emendas de relator, criadas pelo congresso, e vetadas por Bolsonaro, são chamadas de orçamento secreto. Se o governo é do PT e dos corruptos , são chamadas de emendas de relator.

  3. Sempre será “Orçamento Secreto”… E a imprensa que sempre chamou por este nome, agora chama de “Emendas do Relator”…. Inclusive aqui na “Oeste”. Quanto aos petistas, o cinismo é notório. Sempre chamou de Orçamento Secreto, agora eles chamam de “emendas do relator”… São uns nojentos esta corja.

  4. Sempre será “Orçamento Secreto”… E a imprensa que sempre chamou por este nome, agora chama de “Emendas do Relator”…. Inclusive aqui na “Oeste”….

  5. Simone é uma mera oportunista, em seu reduto eleitoral não ganha nem para vereadora. Falsa nada mais q isso, nem merece gastar tempo para falar a seu respeito.

  6. Hipocrisia é a marca registrada dos petistas. Esses seres parasitários nada vivem sem o dinheiro dos outros e por isso adoram um orçamento alheio….de for secreto então eles fazem a festa.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.