-Publicidade-

No Twitter, internautas criticam STF e pedem ‘impeachment’ de Alexandre de Moraes

Manifestação virtual ocorre após a prisão do deputado Daniel Silveira
Protesto 'on-line' cobra 'impeachment' de Alexandre de Moraes
Protesto 'on-line' cobra 'impeachment' de Alexandre de Moraes | Foto: Reprodução/TV Justiça

No que depender da vontade registrada por milhares de internautas na tarde desta quarta-feira, 17, um dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) deveria ser impedido de seguir suas atividades como magistrado. Com mais de 50 mil citações no decorrer das últimas horas, o termo #ImpeachmentAlexandreDeMoraes aparece na lista de assuntos mais populares entre usuários brasileiros do Twitter.

Leia mais: “‘Arbitrariedade absurda’, diz Capitão Augusto sobre prisão de Daniel Silveira”

O pedido pelo afastamento do ministro do STF, ação que oficialmente cabe ao Congresso Nacional, não é o único assunto contrário ao Supremo a ganhar popularidade no Twitter neste momento. A marcação #STFVergonhaMundial também figura na lista de temas mais comentados atualmente na plataforma. Horas antes, outra hashtag nada elogiosa à Corte — #STFVergonhaNacional — marcou presença nos trending topics da rede social no Brasil.

Na lista de usuários do Twitter a tecerem críticas ao magistrado e ao STF como um todo está Ana Paula Henkel, colunista da Revista Oeste. “Ministro Alexandre de Moraes, você é um tirano, um atraso para o Brasil e uma VERGONHA para os brasileiros”, publicou. “Vergonha! #STFVergonhaNacional #STFVergonhaInternacional”, continuou a analista política ao participar do protesto virtual contra a Corte.

Prisão de deputado

A manifestação on-line contra Alexandre de Moraes e o STF ocorre após a prisão do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ). O parlamentar foi encaminhado à Superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro hora depois de gravar vídeo em que critica e xinga ministros do STF. O conteúdo audiovisual gravado pelo parlamentar serviu para que Moraes determinasse prisão em flagrante. De acordo com o ministro, houve atentado contra o estado democrático de direito. O entendimento foi contestado por juristas, conforme registrou Oeste.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês