Agências de checagem de 46 países pressionam YouTube por ações contra ‘fake news’

Entre as signatárias do documento estão a Aos Fatos e Lupa
-Publicidade-
Também subscrevem o documento organizações dos EUA
Também subscrevem o documento organizações dos EUA | Foto: Divulgação/Flickr

A presidente executiva do YouTube, Susan Wojcicki, recebeu uma carta nesta quarta-feira, 12, com remetente de mais de 80 agências de checagem de 46 países. O documento solicita que a big tech “combata a desinformação”.

Uma das medidas sugeridas é que o YouTube estabeleça “parcerias estruturadas” com checadores e assuma a responsabilidade de investir sistematicamente em iniciativas independentes de verificação de informações.

Além disso, o grupo quer que a plataforma dê mais transparência de como a “desinformação” se propaga na plataforma, além de pôr em prática medidas contra “violadores reiterados” e ampliação de idiomas que não o inglês.

-Publicidade-

Na papelada, os signatários pedem uma reunião com Susan para discutir as sugestões e uma colaboração com a plataforma. Entre as signatárias da peça estão as agências brasileiras Aos Fatos e Lupa. Eis um trecho do texto:

“Esperamos que considere a implementação dessas ideias para o bem público e para fazer do YouTube uma plataforma que realmente dê seu melhor para evitar que a desinformação e os boatos sejam usados como arma.”

Também subscrevem o documento organizações dos EUA, incluindo a unidade de checagem do jornal The Washington Post, e de nações como Alemanha, Espanha, Itália, Reino Unido, Nigéria, Etiópia, África do Sul e Índia.

“Todas essas agências chegaram à mesma conclusão: o YouTube é um dos principais canais de desinformação no mundo e as políticas atuais que a plataforma diz aplicar não estão funcionando”, ressalta outro excerto.

Agências de checagem censuram a Revista Oeste

Em 2020, a Revista Oeste foi alvo de censura de duas agências de checagem: a Aos Fatos e a Verifica. A publicação chegou a ser punida pelo Facebook. Depois de acionar a Justiça, Oeste obteve vitórias. Relembre o caso neste link.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

8 comentários Ver comentários

  1. Ladroes gritam pega ladrao no meio da multidão ao serem descobertos para desviarem a atenção de si mesmo em seus atos criminosos… filhos de satanás!

  2. Checagem que eles escolhem e quando fazem as próprias fake news que são desmascaradas, chamam de “erro”, simples assim, sem retratação, sem nada, os militantes de esquerda mundial querendo ser os donos da verdade e calar na censura as vozes de quem discorda deles, isso não pode ir pra frente, liberdade acima de tudo e para todos!!

  3. Tem acontecido comigo que algumas dessas empesas que não se saber de onde avisam que a postagem foi checada, informando que é fake news. Ontem, para teu conhecimento recebi da AFP checagem aviso que é parcialmente falsa a postagem que compartilhei. Sabe aquela que aparece o chefe da OMS dizendo em janeiro que a eficácia da vacina é 95%, em feveiro, 75, …. setembro 33% e depois vai baixando: diminui as internações, diminui pacientes na UTI e finalmente que pelo menos a pessoa morre e vai pro céu? Aquilo é piada e como tal pode ser mentira ou verdade. Se o humor também está sendo censurado a coisa tá mal…
    E olha que não sou de espalhar fake news dizendo que o Queiroga é assassino, Bolsonaro mente e deve morrer e que Lula deve ser enforcado em praça pública ou que a covid veio do espaço sideral e o sol é azul. Aqui no meu face meus amigos são de alta categoria, responsáveis e de de alto astral.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.