Os meios de comunicação não devem se intimidar perante as agências de checagem

Advogado afirma que a sentença a favor da Revista Oeste pode encorajar órgãos de imprensa
-Publicidade-
Especialista ressalta que o caso expõe a necessidade de autorregulamentação dos veículo
Especialista ressalta que o caso expõe a necessidade de autorregulamentação dos veículo | Foto: Divulgação/Flickr

A decisão judicial em prol da Revista Oeste é um exemplo para que outros meios de comunicação não se intimidem perante as agências de checagem de fatos. A avaliação é de Marcelo Figueiredo, advogado e professor associado de Direito Constitucional da PUC-SP. Na sexta-feira 23, o juiz Marcelo Augusto Oliveira, da 41ª Vara Cível de São Paulo, determinou a exclusão dos textos da agência de checagem Aos Fatos tachando de fake news reportagens da Revista Oeste. Na ação, a primeira do gênero no Brasil, ficou provado que elas atuam como controladoras do que é publicado nas redes sociais e na imprensa, decidindo o que será lido. “Na democracia, não há monopólio da verdade; já na obra de George Orwell”, observou Alexandre Fidalgo, advogado de Oeste, ao comentar a decisão. “O caso pode, inclusive, render indenização”, acrescentou Figueiredo.

O docente ressaltou que a circunstância expôs a necessidade de autorregulamentação dos veículos, incluindo as agências, para reduzir a ocorrência de erros e publicação de informações inverídicas que prejudiquem terceiros, como ocorreu com a Revista Oeste. “O setor de comunicação, na totalidade, tem de ter um código de conduta rigoroso, para policiar a si mesmo; faz-se necessário que as empresas de mídia busquem um complicance sobre o assunto com a finalidade de se ter mais responsabilidade”, salientou Figueiredo, ao mencionar que a solução não virá do poder público. “Tem de partir do próprio veículo. Qualquer regulamentação feita pelo Estado cai na censura”, disse.

Leia também: “Agências de checagem estão extrapolando os limites, diz jurista”

-Publicidade-
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

5 comentários Ver comentários

  1. Agências de checagens provaram não ter credibilidade e por isso deveriam ser banidas. Quem eles pensam que são para dizer o que é verdadeiro ou não. Em 2 assuntos polêmicos que fui atrás, sobre tratamento precoce da covid-19, ficou claro que a agência de checagem é quem mentiu ou deturpou a questão. Umas delas, a agência Lupa, parece que trabalha “jornalista” que só lê manchete para fazer seu julgamento.

  2. Como assim, se a maioria delas é vinculada exatamente a esses supostos meios de comunicação, a suposta dita imprensa? Ou o g1 não tem a sua? Ou a folha? O uol, que é do mesmo grupo mas tem a sua? Ou o estadão? Ou a veja? Ou a isto era? Ou o valor econômico? E todas além do vínculo propriamente dito, financiadas pelos mesmos, pelo pc chinês, as big techs e os proxenetas bilionários como george soros, bill gates ou jorge paulo lemann, que têm também políticos variados em suas folhas de pagamento?

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.