Animação da Disney com romance adolescente gay fracassa na estreia

Venda de ingressos de Strange World já é considerada como uma das piores em fins de semana de lançamento de animações do estúdio
-Publicidade-
'Strange World' vendeu menos ingressos que outras 'decepções', como 'Encanto', em 2021 | Foto: Reprodução/YouTube
'Strange World' vendeu menos ingressos que outras 'decepções', como 'Encanto', em 2021 | Foto: Reprodução/YouTube

A mais recente animação da Disney, Strange World (Mundo Estranho), cujo enredo incluiu um romance adolescente gay, estreou na quarta-feira 23, nos Estados Unidos, com um fracasso nas bilheterias. No primeiro dia de exibição, as vendas de ingressos chegaram a US$ 4,2 milhões, um valor muito aquém do esperado pelo estúdio. Em 2021, quando Encanto foi lançado no Feriado de Ação de Graças nos Estados Unidos, a arrecadação do primeiro dia foi de US$ 7,5 milhões. E Encanto tinha sido uma das piores estreias da Disney.

Nos dias seguintes do feriado, o fracasso de Strange World se confirmou. Exibido em quase 4,2 mil salas norte-americanas, o filme arrecadou US 18,6 milhões. A expectativa inicial da Disney era faturar entre US$ 30 milhões e US$ 40 milhões nos cinco primeiro dias de exibição

Segundo a imprensa norte-americana, a venda de ingressos inaugurais para Strange World já é considerada como um dos piores fins de semana de abertura da Disney nos tempos modernos. “É um resultado terrível para a aventura animada com orçamento de US$ 180 milhões”, escreveu Brent Lang, da Variety, observando que o último filme de animação da Disney no Dia de Ação de Graças, Encanto, foi considerado uma decepção, depois de arrecadar US$ 40,3 milhões no fim de semana prolongado.

-Publicidade-

A Disney afastou muitos fãs no início deste ano, quando apresentou um beijo lésbico em Lightyear, o último capítulo de sua franquia Toy Story, que arrecadou apenas US$ 51 milhões na primeira semana de estreia.

Strange World conta a história do adolescente gay Ethan, dublado por Jaboukie Young-White, que tem o apoio de seus amorosos pais birraciais, Searcher (Jake Gyllenhaal) e Meridian (Gabrielle Union). A família rejeita sua lendária herança como exploradores da fazenda, mas acaba voltando para os negócios da família para caçar o pai de Searcher, Jaeger (Dennis Quaid), que desapareceu quando ele era criança. Sua busca, auxiliada por seu cachorro deficiente, os leva a Avalonia, um mundo estranho com um ecossistema frágil. Ethan luta para superar sua timidez em torno de seu interesse amoroso, um garoto chamado Diazo.

O site Daily Wire ressaltou que, além de fracassar nas bilheterias, “Strange World não mantém a tradição de sucesso da animação da Disney”. Ele ganhou uma classificação CinemaScore de B, a classificação mais baixa de todos os tempos para um filme de animação da Disney. Todo filme de animação da Disney, desde A Bela e a Fera, recebeu algum tipo de nota A, de A+ a A-.

As ações da Disney caíram mais de 33% no ano passado, o que também pode ter sido influenciado pela crise global, mas especialmente pela forma com que a empresa tem incluído ideologia de gênero em seus filmes e em suas políticas internas de recursos humanos.

No domingo 19, a empresa anunciou a demissão do presidente-executivo Bob Chapek, contratado havia dois anos e que deu impulso à política woke na empresa. No lugar dele, o estúdio recontratou Bob Iger, que foi o CEO da empresa durante 15 anos, até 2020.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

16 comentários Ver comentários

  1. A única coisa errada no artigo é o último parágrafo. Foi sob a tutela de Bob Iger q todo este conteúdo woke foi produzido. O projeto de Strange World, por exemplo, foi anunciado publicamente em abril de 2020, o que obviamente indica que as discussões sobre o projeto são anteriores a esta data. Bob Iger permaneceu na Disney para “assessorar” Bob Chapek até dezembro de 2021. Na prática dizem as más línguas que quem de fato continuava dando as cartas na Disney era o próprio Iger. Pelo que se comenta lá fora, Bob Chapek estava de mãos atadas pq ele não podia demitir este pessoal lacrador sem uma justificativa q não fosse fato dos caras serem lacradores. Basta ver toda reação dos lacradores e da mídia quando Bob Chapek demitiu Peter Rice. O quadro de acionistas que de fato são os donos da Disney não permitia, principalmente por pressão de empresas de investimentos como a BlackRock.
    Então segundo o pessoal q acompanha os bastidores, Chapek pretendia usar justamente os prejuízos destes últimos filmes para começar a limpar a Disney, Pixar, Lucas Film deste pessoal lacrador. Só q cortaram a cabeça dele antes e trouxeram o Bob Iger de volta. Pode esperar q provavelmente a Disney vai afundar os dois pés na lacração à partir de agora. Os trechos da recente entrevista que eu vi do Bob Iger não dão sinais de que ele irá alterar este curso.

  2. Fiz cadastro nesta revista de qualidade duvidosa apenas para escreve este comentário. Embora veicular um fato seja algo simples, é necessário muito estudo. Se não não haveria curso para jornalistas. O texto não é só ruim, como se baseia a conceitos não relacionados pra sustentar um sintoma social. Frozen é um sucesso. E as discussões sobre uma princesa que enfrenta tudo com a família sem a ajuda de um príncipe encantado são incríveis. Moana não teve um príncipe também. Essa é a política “woke” da Disney. E baseado nesses exemplos, tem dado certo. Ideologia de gênero é uma retórica conservadora de gente que não lê, não estuda, não calcula e que acha que tem o direito de escrever as linhas da realidade social. Com a vitória do povo nessas últimas eleições, espero ver o mundo cada vez mais inclusivo e humano. Em todo o seu espectro. Espero que ao invés de ideologia de gênero, leiamos nos jornais de qualidade sobre Marsha P Johnson, Harvey Milk, Martin Luther king, Angela Davis, Toni Morrison, Octavia Butler e tantos outros! Lixo de revista esta Oeste. Espero que o Google notícias nunca mais me recomende algo assim. E, como professor e Humanista, espero nunca mais ler algo assim.

    1. Um fato incontestável é que todo professor é uma besta quadrada. O comentário do doutrinador acima confirma isso. Vai ler Metrópolis, Uol, foia de sum Paulo seu doente. Tenha certeza que seus comentários não farão falta na excelente revista oeste.

  3. A que ponto chegamos: os Pais não tem mais o direito de educar seus próprios filhos….aí vem um estudio como este que sempre foi pautado pelo mundo da fantasia que habitava as inocentes cabeças das crianças….um passado de princípios que pelo visto jamais voltará a existir.

  4. Cadê os 60 milhões de eleitores de eleitores do Lula para encher essas salas de cinema ?

    Defendem a bandeira dos gays para a família dos outros?

  5. O que é costume da maioria não pode ser contestado pela minoria
    A sociedade é hetero em sua maioria, em todos os países.
    Claro que vai ser um fracasso de bilheteria

  6. Merecidamente, diga-se de passagem! A voz predominante em uma democracia de verdade é a da MAIORIA e a minoria que se recolha as suas 4 paredes respeitosamente.

  7. Espero que tenhamos chegado no ponto de inflexão desta curva de temas progressistas… Começam a pipocar para todo lado respostas e resultados querendo deixar claro que o mundo tem uma maioria conservadora e que já está perdendo a paciência de ter que engolir goela abaixo os temas das “minorias”….

  8. Frase batida, mas verdadeira:
    “Quem lacra não lucra”.
    Quando se trata de questões ideológicas, uma coisa é aceitar, a outra é consumir.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.