‘Anvisa’ da Itália aprova uso de remédios contra a covid-19

Regeneron assegura que sua terapia é recomendada a pacientes em estágio inicial da doença e reduz internações por coronavírus
-Publicidade-
Dentro do organismo, o coquetel da Regeneron se dirige às espículas do vírus chinês
Dentro do organismo, o coquetel da Regeneron se dirige às espículas do vírus chinês | Foto: Divulgação/Medgadget

A “Anvisa” da Itália aprovou o uso de dois anticorpos monoclonais (imdevimab e casirivimab) para o tratamento contra o coronavírus. Os remédios são das farmacêuticas Regeneron e Ely Lilly. Conforme a agência reguladora do país, os medicamentos serão destinados aos infectados em estágio inicial, com alto risco de evolução. Utilizada pelo ex-presidente Donald Trump, a terapia já recebeu o certificado de uso emergencial nos Estados Unidos.

“Com a demora na chegada das doses da vacina na Itália, as categorias e ambientes de maior risco poderiam encontrar nos anticorpos monoclonais a proteção de que precisam”, observou Giuseppe Novelli, geneticista da Universidade Tor Vergata de Roma, em entrevista ao jornal local Ansa, publicada na quarta-feira 4. Ele é integrante de um grupo de estudos empenhado na pesquisa de anticorpos monoclonais eficazes no enfrentamento à covid-19.

Como funciona

-Publicidade-

Dentro do organismo, o coquetel da Regeneron se dirige às espículas do vírus chinês (responsáveis por “grudar” nas células humanas de modo a permitir a reprodução) com a finalidade de neutralizá-las. Segundo cientistas da companhia farmacêutica, a droga reduz as internações em hospitais e os casos de emergência. Hoje, os anticorpos monoclonais são usados para tratar a osteoporose, a leucemia, a psoríase em placa e alguns tipos de câncer, como o câncer de mama ou nos ossos.

Leia também: “1/3 dos médicos acredita no tratamento precoce, mostra pesquisa”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

5 comentários Ver comentários

  1. O SUS na surdina tá salvando vidas prá cacete.
    A medicina brasileira – ISENTONA – vai conseguindo o seu Conselho se assemelhar à OAB. Totalmente comunista, totalmente Santos Cruz, totalmente ciência, totalmente Mandetta.
    Mas brasileiro dá um jeitinho e tomamos sim, a Ivermectina para cada 32kg. Que mal faz além de uma profilaxia que tá dando certo no mundo inteiro:?

  2. A hidroxicloroquina,ivermectina, azitromicina, zinco e vitamina D são mais eficientes e praticamente gratuitos. Isso aí é para os laboratórios faturarem na saúde alheia.

  3. So tem um pequeno detalhe que esse editorial nao mostrou o preço desse remedio que cada dose custa uma verdadeira fortuna esse remedio e o remedio que o tramp usou no seu tratamento quando ele pegou covid.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.