As ditaduras mudam seus nomes, mas não mudam seus métodos

Ao restringir o acesso à internet, Cuba segue o exemplo de outros regimes, como Mianmar e Irã
-Publicidade-
Manifestação em Havana, no domingo 11
Manifestação em Havana, no domingo 11 | Foto: Reprodução/Twitter

Por Vivaldo José Breternitz*

Enquanto o povo cubano vai às ruas para protestar contra a forma com que a economia e a pandemia estão sendo gerenciadas, o governo de Cuba tem agido para restringir o acesso à internet em geral e às mídias sociais e plataformas de mensagens em especial.

-Publicidade-

De acordo com a ONG NetBlocks, organização que monitora o acesso à internet pelo mundo, Facebook, Instagram, WhatsApp e Telegram foram bloqueados no país, pelo menos parcialmente.

O acesso móvel à internet é relativamente novo em Cuba; foi apenas no final de 2018 que o governo socialista do país começou a implantar esses serviços em toda a ilha. Na época, o presidente Miguel Díaz-Canel, cuja renúncia vem sendo pedida pelos manifestantes, disse que um maior acesso à internet ajudaria os cubanos a “defender sua revolução”.

Agora, ao restringir esse acesso, Cuba segue o exemplo de outras ditaduras, como Mianmar e Irã, que usaram estratégias semelhantes quando enfrentaram protestos.

O presidente Miguel Díaz-Canel incentiva o uso da violência ao incitar seus apoiadores a ir às ruas e enfrentar os que protestam. Afirma que “não vamos abrir mão de nossa soberania, da independência do povo nem da liberdade desta nação — há muitos entre nós dispostos a pôr nossa vida em risco”.

Com argumentos tortuosos, Rogelio Polanco Fuentes, chefe do departamento ideológico do Partido Comunista, disse que os protestos eram parte de uma forma de “guerra não convencional” que os Estados Unidos estavam travando na busca pela mudança de regime. Segundo ele, as estratégias norte-americanas “envolvem táticas da chamada luta não violenta, que geram instabilidade e caos nos países, para provocar atos de repressão das forças de segurança”, concluindo que “estas, por sua vez, geram a percepção de violações dos direitos humanos”.

As ditaduras mudam seus nomes, mas não mudam seus métodos.

Leia também: “A anunciação da primavera cubana”, artigo de Augusto Nunes publicado na Edição 69 da Revista Oeste


* Vivaldo José Breternitz, doutor em Ciências pela Universidade de São Paulo, é professor da Faculdade de Computação e Informática da Universidade Presbiteriana Mackenzie

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 comentários

  1. Ditadura. Com o fundo eleitoral de 2,3,4,5,6 BILHÕES. DE REAIS estamos caminhando para isto. Se não já chegamos, já já chegaremos lá.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site