Biden diz que Rússia pode não ter disparado míssil contra a Polônia

Oficiais norte-americanos teriam dito à agência de notícias que projétil foi lançado pela Ucrânia
-Publicidade-
O presidente dos EUA, Joe Biden, em entrevista coletiva nesta quarta-feira, 16: 'Pela trajetória do míssil é pouco provável que ele tenha sido disparado da Rússia' | Foto: Reprodução/YouTube
O presidente dos EUA, Joe Biden, em entrevista coletiva nesta quarta-feira, 16: 'Pela trajetória do míssil é pouco provável que ele tenha sido disparado da Rússia' | Foto: Reprodução/YouTube

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse à imprensa nesta quarta-feira, 16, que o míssil que matou duas pessoas na Polônia na terça-feira 15 pode não ter sido disparado pela Rússia, como se suspeitou inicialmente e como acusa a Ucrânia. Fontes militares norte-americanas afirmaram à agência Associated Press que o míssil foi disparado pela Ucrânia.

Biden afirmou a jornalistas, depois de uma reunião de emergência com líderes do G20 em Bali, na Indonésia, que “existe uma informação preliminar que contesta isso”, ou seja, a informação de que o míssil foi lançado pelos russos. “Eu não quero afirmar isso antes de a investigação ser concluída, mas pela trajetória do míssil é pouco provável que ele tenha sido disparado da Rússia”, disse.

O presidente norte-americano também comentou sobre as investigações, já que a Polônia faz parte da Otan, a aliança militar do Ocidente, e uma agressão bélica contra o país poderia ensejar a participação dos demais membros do bloco. “Nós concordamos em ajudar a investigação polonesa sobre a explosão perto da fronteira com a Ucrânia. Nós vamos tomar uma decisão coletiva sobre quais serão os próximos passos ao fim da investigação”, afirmou Biden.

-Publicidade-

Nesta quarta-feira, três oficiais norte-americanos disseram que avaliações preliminares sugerem que o míssil tenha sido disparado por forças ucranianas que tentavam reagir aos ataques russos. As informações foram dadas em condição de anonimato para a Associated Press.

O secretário geral da Otan, Jens Stoltenberg, convocou para esta quarta-feira uma reunião de emergência para discutir a explosão na Polônia.

O chefe da missão permanente da Rússia na Organização das Nações Unidas (ONU) diz que o incidente é uma tentativa de colocar a Otan em confronto direto com a Rússia. “Existe uma tentativa de provocar um confronto militar entre a Otan e a Rússia, com todas as consequências para o mundo”, escreveu Dmitry Polyansky, em seu canal do Telegram.

Em comunicado, o governo russo afirmou que “nenhum ataque a alvos perto da fronteira entre Ucrânia e Polônia foi feito por meios de destruição russos”.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários Ver comentários

  1. Não precisa ser nenhum ” especialista ” em geo política para entender que Zelensky faz o diabo para envolver a Otan no conflito. É a única forma dele sobreviver!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.