-Publicidade-

Biden é o líder do movimento de esquerda mais radical da história dos EUA

É o que argumenta Ana Paula Henkel, em artigo publicado na Edição 50 da ‘Revista Oeste’
Joe Biden foi o vencedor da última eleição presidencial norte-americana
Joe Biden foi o vencedor da última eleição presidencial norte-americana | Foto: Reprodução/Flickr

“Recentemente, escrevi um artigo para nossa Revista Oeste sobre as muitas ordens executivas assinadas por Biden logo nos primeiros dias de administração. Entre elas, uma que atinge as mulheres no esporte em cheio: a permissão para que homens biológicos possam competir em esportes femininos, apenas identificando-se como mulheres. As ordens executivas do ex-vice de Barack Obama seguem à risca a agenda globalista dos progressistas radicais. Biden assumiu, sem a menor cerimônia, a liderança do movimento de esquerda mais radical da história dos Estados Unidos. A mais recente peça da realidade paralela dos novos democratas orwellianos é o Equality Act (“Lei de Igualdade”). O projeto de lei, que não passou por nenhuma comissão e foi aprovado pela Câmara, com maioria democrata, segue agora para o Senado. Para ser aprovado, precisa dos votos de 60 senadores devido ao filibuster, uma manobra de obstrução em que um ou mais membros debatem uma proposta de legislação para atrasar ou impedir totalmente uma decisão final.

Como todas as medidas politicamente corretas, o Equality Act esconde-se atrás de um nome fofo. Na prática, se aprovado, afetará vários aspectos da vida de maneira inimaginável, desde o uso de talentos e habilidades — incluem-se as atléticas — até a fala obrigatória com “linguagem neutra”. A rotina em locais públicos, na escola, no emprego, em creches, hospitais e lares de idosos, em todos os meios de comunicação, de instituições religiosas a organizações de caridade, tudo será afetado porque os sentimentos de poucos precisam ser considerados antes da realidade, da ciência e da biologia. Nenhuma área de existência estará livre do alcance de seus tentáculos e do poder do Estado.”

Os parágrafos acima fazem parte do artigo de Ana Paula Henkel publicado na Edição 50 da Revista Oeste, que foi ao ar na sexta-feira 5.

Revista Oeste

A Edição 50 da Revista Oeste vai além da coluna de Ana Paula Henkel sobre o extremismo do democrata Joe Biden. A publicação digital conta com reportagens especiais e artigos de J. R. Guzzo, Augusto Nunes, Guilherme Fiuza, Dagomir Marquezi e Rodrigo Constantino.

Startup de jornalismo on-line, a Revista Oeste está no ar desde março de 2020. Sem aceitar anúncios de órgãos públicos, o projeto é financiado diretamente por seus assinantes. Para fazer parte da comunidade que apoia a publicação digital que defende a liberdade e o liberalismo econômico, basta clicar aqui, escolher o plano e seguir os passos indicados.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 comentários

  1. Queria bloquear está revista, toda hora aparece na tela do meu celular, só comentaria ridículos e sem sentido de visões de incompetência de pessoas que só sabem pensar em dinheiro.

  2. É ele que prega a paz entre os cidadãos democratas e republicanos? Isso, claramente é guerra e devera encontrar oposição até de democratas, senão penso que haverá grandes conflitos na maior democracia do mundo.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.