-Publicidade-

Brasileira é uma das vítimas do atentado na França

Mulher de 40 anos vivia em Nice com a família
Foto: Reprodução/Instagram
Foto: Reprodução/Instagram | brasileira morta em nice - frança

Mulher de 43 anos vivia em Nice com a família

brasileira morta em nice - frança
Foto: Reprodução/Instagram

O atentado na manhã de hoje em frente à Basílica Notre Dame de Nice, na França, teve uma brasileira entre as vítimas. Na noite desta quinta-feira, 29, o Ministério das Relações Exteriores informou que uma mulher de 43 anos que vivia na cidade francesa está na lista dos que não resistiram ao ataque promovido por um criminoso que entoava os dizeres “Alá é grande.”

‘O islamismo é um fanatismo monstruoso’, diz cardeal após atentado na França

Atentado terrorista em Nice, na França, deixa três mortos

Com “grande pesar”, o órgão do governo brasileiro informou que a brasileira assassinada era mãe de três filhos e mantinha residência na França. O Itamaraty não divulgou a identidade da brasileira nem mais deu detalhes a respeito da família dela, mas ressaltou que prestará todo o apoio aos parentes da vítima do atentado.

O canal CNN Brasil informou que a brasileira morta se chamava Simone Barreto Silva, era natural de Salvador (BA) e vivia na França fazia cerca de 30 anos. No país europeu, ela trabalhava como cuidadora de idosos, informou a emissora.

“O presidente Jair Bolsonaro, em nome de toda a nação brasileira, apresenta suas profundas condolências aos familiares e amigos da cidadã assassinada em Nice, bem como aos das demais vítimas, e estende sua solidariedade ao povo e governo franceses”, informa trecho da nota à imprensa divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, pasta conduzida por Ernesto Araújo.

Repúdio ao terrorismo

O Itamaraty enfatizou o “repúdio a toda e qualquer forma de terrorismo”. Com o episódio terrorista em solo francês sendo atribuído a um muçulmano (e em frente a um templo ligado ao cristianismo), o ministério direcionou “especial solidariedade” a “cristãos e pessoas de outras confissões que sofrem perseguição e violência em razão de sua crença”.

Em conversa com jornalistas e apoiadores em frente ao Palácio do Alvorada, o presidente Jair Bolsonaro chamou a atenção para a onda de cristofobia ao redor no mundo. Nesse sentido, lembrou que abordou esse tema na última assembleia-geral da Organização das Nações Unidas  — e pediu que autoridades e imprensa atentem para esse fato.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 comentários

  1. Hora de voltar a éra de taleão, olho por olho e dente por dente! Vão continuar amando aqueles que querem te matar? Acha que morrer sem reagir é justificavel só pra salvar sua alma? E quanto aqueles que não tem nada a ver com isso? Tá na hora de começarem a se armar e praticarem defesa pessoal e andar com coletes a prova de balas por exemplo! Acabou esse papo de paz com esses genocidas religiosos!

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês