China fala em ‘purificar’ internet antes dos Jogos de Inverno e do Ano Novo Lunar

Tarefa ficou a cargo de um órgão regulador do país
-Publicidade-
O secretário-geral do PCC, Xi Jinping
O secretário-geral do PCC, Xi Jinping | Foto: Reprodução/Flickr

O Partido Comunista da China (PCC) prometeu nesta quarta-feira, 26, reprimir conteúdo “ilegal” antes dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, além de um dos feriados anuais mais importantes do país, o Ano Novo Lunar chinês.

Trata-se de uma “campanha de purificação” na internet, em fevereiro, de modo a criar um “ambiente on-line saudável, feliz e pacífico”. As ações serão tomadas pela Administração do Ciberespaço da China, órgão regulador comunista.

Conforme o PCC, navegadores de buscas, pop-ups, veículos de comunicação e as primeiras páginas de sites terão de ser, cuidadosamente, gerenciadas para apresentar “informações positivas”, sem mencionar quais.

-Publicidade-

O plano desenhado pelo PCC acrescenta ainda que publicações obscenas, vulgares, sangrentas, violentas e outras informações ilegais ou ruins devem ser erradicadas, para criar uma “atmosfera on-line positiva”.

A ditadura ameaçou reprimir “boatos”, assim como impedir que celebridades “ilegais e imorais” voltem a aparecer. Entre os comportamentos imorais, o PCC listou “ostentação”, excesso de comida ou bebida e adivinhação.

Leia também: “O jogo do gigante”, reportagem publicada na Edição 58 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

6 comentários Ver comentários

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.