Concurso de Miss França é processado por usar critério de beleza na seleção

Ação tem apoio de três ex-concorrentes que não saíram vitoriosas
-Publicidade-
A Miss França de 2021, Amandine Petit
A Miss França de 2021, Amandine Petit | Foto: Reprodução/Redes sociais

O grupo feminista Osez Le Féminisme (Ouse Ser Feminista, em tradução livre) está processando o concurso de beleza Miss França. Anunciada na segunda-feira 18, a ação alega ser ilegal exigir que as participantes tenham mais de 1,70 metro de altura, sejam solteiras e “representativas da beleza”. A peça jurídica, que ganhou apoio de três ex-concorrentes derrotadas na premiação, também mira a Endemol — produtora do evento para a televisão.

Para que o caso prospere, os magistrados da Justiça do Trabalho do subúrbio parisiense de Bobigny, onde corre o processo, precisam considerar que existe um vínculo trabalhista entre as concorrentes e os organizadores do concurso. O código trabalhista francês proíbe as empresas de discriminar com base em “moral, idade, status familiar ou aparência física”, afirma Violaine De Filippis-Abate, advogada de Osez Le Féminisme.

-Publicidade-
-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.